Incêndio florestal mata ao menos 50 na Grécia; sobrevivente narra drama vivido

mundo
24.07.2018, 11:26:20
Atualizado: 24.07.2018, 11:34:49
(Valerie Gache/AFP)

Incêndio florestal mata ao menos 50 na Grécia; sobrevivente narra drama vivido

Maioria das vítimas ficou presa no setor do balneário de Mati, a cerca de 40 km de Atenas

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um sobrevivente dos incêndios florestais que devastaram uma área à beira-mar na Grécia nesta terça-feira, 24, relatou como fugiu do fogo, entrando no mar para escapar das chamas e da fumaça sufocante. Até o momento, ao menos 50 pessoas morreram e mais de 100 estão feridas em decorrência do desastre.

A maioria das vítimas ficou presa no setor do balneário de Mati, a aproximadamente 40 km de Atenas, em casas ou veículos. Autoridades dizem que os números ainda são provisórios.

(AFP Photo)
(AFP Photo)
(AFP Photo)
(AFP Photo)
(AFP Photo)
(AFP Photo)

Nikos Stavrindis contou que estava em sua casa de veraneio na área de Mati, perto de Rafina, com a mulher e algumas de suas amigas. O casal se preparava para a chegada da filha.

Antes que percebessem, estavam cercados pelo fogo. "Aconteceu muito rápido. O fogo estava distante, então as faíscas nos alcançaram e as chamas estavam ao nosso redor", disse Stavrindis. 

"Corremos para o mar. Tivemos que nadar para longe por causa da fumaça, mas não conseguíamos ver nada", relatou.

Segundo Starvrindis, havia seis pessoas em seu grupo. Todos nadaram para escapar da fumaça, mas acabaram sendo levados pelo vento e correnteza. Eles não conseguiam mais ver a costa e se perderam. Os ventos fortes que carregavam as chamas também dificultavam o combate ao incêndio e agitavam o mar.

"Nem todos sobreviveram", disse Stavrindis. Uma das amigas de sua mulher morreu afogada. "O que me perturba e o que eu vou carregar em meu coração é que é terrível ver alguém ao seu lado se afogar e não ser capaz de ajudar", lamentou.

Ele disse acreditar que o grupo tenha ficado cerca de duas horas à deriva antes de ser resgatado por um barco de pesca, de tripulação egípcia. "Sou grato a todos eles", disse Stavrindis. "Eles pularam ao mar ainda com suas roupas. Nos fizeram chá e nos mantiveram aquecidos. Foram ótimos", agradeceu. Fonte: Associated Press.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas