Irã x EUA: como o Brasil pode ser impactado por essa crise?

artigo
15.01.2020, 05:00:00
Atualizado: 15.01.2020, 11:36:38

Irã x EUA: como o Brasil pode ser impactado por essa crise?


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


Nos últimos dias, tem-se acompanhado a escalada da crise entre Estados Unidos e Irã, não iniciada, como muitos pensam, com a morte, no dia 2 de janeiro, do General Suleimani, líder da Guarda Revolucionária Iraniana. Tampouco esta crise começou com a invasão, por milícias apoiadas pelo Irã, segundo os EUA, da embaixada deste país em Bagdá, em 31 de dezembro de 2019 ou pelos ataques que os norte-americanos fizeram a bases de milícias xiitas no Iraque e na Síria no último dia 29, matando 24 pessoas em resposta a outro ataque, com mais de 30 mísseis, que uma base militar de aliados dos EUA sofreu, no Iraque, em 27 de dezembro passado.

A rigor, os conflitos entre ambos remontam, pelo menos, à década de 1950, quando CIA e Reino Unido tiraram do poder o primeiro-ministro iraniano Mohammed Mossadeq (nacionalizador do petróleo) e apoiaram a ascensão do Xá Reza Pahlavi, pró-Ocidente. Em 1979, a revolução iraniana levou ao poder o aiatolá Khomeini, instaurando uma teocracia e mudando a geopolítica da região até hoje.

Esse histórico e o cenário atual são complexos, afetam a política internacional em níveis diferentes, e o Brasil não fica fora desta dinâmica. Seus impactos para Brasília podem se dar em frentes distintas. Algumas seriam estruturais, como os efeitos da crise sobre a produção de petróleo (cerca de 20% deste é transportado pelo Estreito de Ormuz), sobre as economia e migrações mundiais, ou sobre a questão nuclear e militar.

Outras têm efeitos mais diretos sobre os interesses brasileiros, e uma postura diplomática mal calculada pode gerar prejuízo junto aos países envolvidos e seus aliados. Multilateralmente, pode-se perder capacidade de articulação em organizações internacionais; bilateralmente, pode-se perder em áreas diversas, como na economia. Não se deve esquecer da importância histórica dos EUA, tanto em comércio, quanto em investimentos, por exemplo.

Já o Irã, parceiro brasileiro há mais de 100 anos, é importante para as exportações: em 2019, foi o 2º maior comprador de milho, o 5º de soja e o 6º de carne bovina. Outros setores, como a cooperação internacional, também podem ser afetados se o Brasil não adotar o pragmatismo responsável de outrora. O país coopera com EUA e Irã em muitos segmentos – Desenvolvimento, Direito, Cultura, Inteligência (imprescindível para a segurança nacional), entre outros.

A equação da crise é complexa. Seus efeitos potenciais são múltiplos, inclusive em escalas regionais – os EUA são, por exemplo, o 2º maior parceiro comercial da Bahia, que possui histórico de relação comercial com o Irã com potencial de crescimento.

O ano novo não esperou para apresentar enormes desafios aos atores internacionais. Que possamos respondê-los adequadamente.


Matheus Souza é professor e coordenador do Bacharelado em Relações Internacionais da Unijorge

Opiniões e conceitos expressos nos artigos são de responsabilidade dos autores

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/moradores-da-lapinha-falam-ao-contrario-e-tem-um-dialeto-o-gualin/
Há meio século, falar ao contrário é considerado sinal de pertença para os moradores “raiz” do bairro da Lapinha
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/elza-soares-aos-90-e-cheia-de-projetos/
Cantora lança releitura de 'Juízo Final' e faz live neste sábado (4), com participação de Flávio Renegado
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/cheias-de-bossa-bebel-gilberto-lanca-parceria-com-martnalia/
Confira também o clipe Hipnose, de Larissa Luz, e a canção Caxixi, de Mariene de Castro
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/veja-o-video-filha-interrompe-entrevista-por-videochamada-e-vira-sensacao-nas-redes/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/bia-doria-e-val-marchiori-geram-revolta-ao-falar-de-sem-teto-gostam-de-ficar-na-rua/
Socialite e primeira-dama do estado de SP disseram que pessoas não vão para abrigos pois 'não querem responsabilidades'
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/leonardo-villar-protagonista-de-o-pagador-de-promessas-morre-aos-96-anos/
Ele eternizou o personagem Zé do Burro em filme premiado que se passa na Bahia
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/ciclone-bomba-onda-derruba-portao-e-invade-garagem-de-predio-em-sp-assista/
Ressaca atingiu praias na Baixada Santista e deixou rastro de destruição
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/mestre-lourimbau-e-localizado-e-esta-internado-em-hospital-no-pau-miudo/
Parentes e artistas fizeram campanha para encontrar berimbalista de 72 anos
Ler Mais