Itamaraty não reconhecerá, 'neste momento', resultado de eleições na Bolívia

mundo
26.10.2019, 09:55:05
Atualizado: 26.10.2019, 09:58:20
Itamaraty não reconhecerá, 'neste momento', resultado de eleições na Bolívia (AFP)

Itamaraty não reconhecerá, 'neste momento', resultado de eleições na Bolívia

Oposicionistas acusam Evo Morales de ter cometido fraudes para ganhar a eleição no domingo

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Ministério das Relações Exteriores do Brasil afirmou na sexta-feira, 25, que não reconhecerá "neste momento" o resultado final das eleições presidenciais na Bolívia, cuja contagem de votos aponta vitória em primeiro turno de Evo Morales.

"Considerando-se as tratativas em curso entre a OEA (Organização dos Estados Americanos) e o governo da Bolívia para uma auditoria completa do primeiro turno das eleições naquele país, o Brasil não reconhecerá, neste momento, qualquer anúncio de resultado final", justificou o Itamaraty em sua conta ofical no Twitter.

Horas antes na sexta-feira a sala plena do tribunal regional eleitoral da Bolívia havia informado a finalização da contagem oficial das eleições presidenciais.

Com todas as atas apuradas, o presidente Evo Morales tinha 47,08% dos votos, enquanto seu principal rival, o ex-presidente Carlos Mesa, tinha 36,51%. Com isso, Morales seria reeleito em primeiro turno.

Na quinta-feira, o Tribunal Supremo Eleitoral havia dito que haveria nova votação em quatro mesas no departamento (Estado) de Beni, mas nesta sexta-feira o presidente departamental local, Rodolfo Coimbra, revalidou essas atas e com isso a contagem foi retomada.

Para vencer em primeiro turno, um candidato deve ter mais de 50% dos votos, ou 40% e uma distância de ao menos 10 pontos porcentuais em relação ao segundo colocado.

Oposicionistas acusam Evo Morales de ter cometido fraudes para ganhar a eleição no domingo. No plano internacional, a Organização das Nações Unidas, a Organização dos Estados Americanos (OEA) e países como Estados Unidos e Colômbia pediram clareza na apuração.

*Com informações da Associated Press
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas