Juazeiro: jovem de 20 anos é morta a tiros, e ex é principal suspeito

bahia
21.06.2017, 21:35:00
Atualizado: 21.06.2017, 21:50:32

Juazeiro: jovem de 20 anos é morta a tiros, e ex é principal suspeito

Segundo Secretaria de Políticas para as Mulheres da Bahia, vítima tinha desde de abril medida protetiva impedindo ex de se aproximar dela

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Uma jovem de 20 anos foi morta a tiros na noite da terça-feira (20) em Juazeiro, no norte da Bahia. Laise dos Santos Silva estava retornando de mototáxi do trabalho, no bairro Itaberaba, quando foi atacada. O suspeita pelo crime é o ex-companheiro que não aceitava o fim do namoro entre os dois. Laise já tinha inclusive conseguido uma medida protetiva que proibia o ex de se aproximar dela.

(Foto: Reprodução)

De acordo com a  Delegacia de Atendimento à Mulher da cidade (Deam), Laise prestou queixa contra o ex no começo do ano. Ela relatou que na época ele tentou matá-la, atirando contra a jovem - o tiro não pegou. Desde abril, a jovem tinha uma medida protetiva contra o ex. Na terça, durante o crime, além de matar Laise o suspeito ainda feriu o mototaxista que a levava para casa. 

Identificado como Anderson, o mototaxista foi socorrido para o Hospital Regional por uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Não ha´detalhes sobre seu estado de saúde. Laise foi socorrida no local pela ambulância, mas não resistiu.

Em nota, a Secretaria de Políticas para as Mulheres da Bahia (SPM-BA) informou que está acompanhando o caso e lamentando o crime, além de se solidarizar com familiares de "mais uma abaiana que perde a vida por violência doméstica". 

Nesta quarta (21), a SPM entrou em contato com o Centro de Referência de Atendimento à Mulher (CRAM) e com a Secretaria Municipal de Mulheres de Juazeiro para se informar sobre o caso. Julieta Palmeira, titular da pasta, afirmou que é preciso uma união entre governo e sociedade para combater esse tipo de crime. "Não podemos, em pleno século 21, permitir que mulheres sejam assassinadas por machismo. Governo e sociedade precisam estar juntos para acabar com essa prática hedionda. Violência contra as mulheres precisa ser denunciada e o agressor punido. O feminicídio está previsto na lei e esses casos precisam ser tipificados como tal , crime hediondo é inafiançável, ao invés de nomeados como crimes passionais", declarou.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas