Kangoo Jump: a atividade que promete queimar até mil calorias em uma hora

bahia
06.09.2021, 07:00:00
Grupo Kangoo Salvador faz atividade no Jardim de Alah aos domingos (Arisson Marinho/CORREIO)

Kangoo Jump: a atividade que promete queimar até mil calorias em uma hora

Em Salvador, aulas variam entre R$ 15 e R$ 35 e acontecem ao ar livre

Certamente, alguém já deve ter te falado um sonoro "dê seus pulos" em alusão à necessidade de resolver alguma situação. Praticantes do Kangoo Jump acham a expressão bastante oportuna e, de pulo em pulo, podem queimar de 800 a 1000 calorias por hora de aula. E você já ouviu falar em Kangoo Jump? 

A modalidade vem ganhando adeptos em Salvador, com instrutores registrando mais de 120 alunas, principalmente, já que o exercício praticado com uma espécie de patins com molas chama muita atenção do público feminino. No entanto, a prática não é voltada somente para mulheres, afinal saúde não escolhe sexualidade. Com o Kangoo, é possível melhorar o condicionamento físico, aumentar coordenação motora e equilíbrio, diminuir o estresse e ajudar na recuperação para quem pratica esportes de alta intensidade já que os curiosos calçados reduzem em até 80% o impacto da atividade em relação ao esforço que seria feito com um tênis, por exemplo.

O educador físico Wiston Adan, 46, dá aula de Kangoo em sua academia e em condomínios há 11 anos. Ele conta que o interesse explodiu quando passou a fazer aulas na rua e confessa ter perdido a conta de quantos alunos tem sob sua tutela. Apesar do valor do equipamento ser bem caro, chegando até a R$ 3 mil, as aulas são acessíveis.

Adan dá aulas no Jardim de Alah às quartas, sextas e domingos, a partir das 7h. A aula tem 1h de duração e custa R$ 20 para quem não tem o equipamento e R$ 15 para quem tem o próprio Kangoo. O professor ainda oferece pacotes custando R$ 140 (com aluguel dos sapatos) e R$ 100 (com o próprio).

"Essa questão da redução do impacto é fundamental e acho muito bacana. Já tive alunas fazendo aula com o dedo fraturado, eu mesmo já fiz aulas que com tênis não conseguia de jeito nenhum. E olhe que meu ritmo é alto. Minha aula é com exigência lá em cima e garanto que queima até 1000 calorias", afirma.

Adan coordena alunas durante sessão de Kangoo Jump na orla (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

 Os movimentos que o Kangoo propõe são bem dançantes, as aulas costumam ser animadissímas e realmente aberta para todos os públicos. Em Piatã, a instrutora Laís Tourinho dá aula para alunas que vão dos 61 anos até figurinhas como Ana Louise, de 8.

Ana chama atenção: pratica o Kangoo desde os 6 anos e já tem todos os macetes, tanto que até antecipa movimentos da pró Laís. "Eu gosto de praticar porque gosto muito de dançar. É divertido demais", conta a pequena mascote da Tribo Kangoozeira, que se intitula assistente da pró Laís.

"O Kangoo tem 80% de impacto reduzido no equipamento. É o único no mundo que absorve tanto impacto. Ajuda no sistema linfático, ou seja ajuda a reduzir celulite e é ótimo para fazer cardio. Tenho algumas alunas que chegam aqui com caso de depressão  forte e ouço relatos que o kangoo tem ajudado a sair desse estágio", afirma Laís.

Ana Louise faz Kangoo desde os 6 anos (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

A professora explica que as únicas restrições para a prática do Kangoo Jump são labirintite não-tratada e gravidez. Ela dá aula em Piatã, Jardim dos Namorados e Itaigara. Quem utiliza o equipamento da instrutora paga R$ 35 por aula, R$ 110 num pacote por 4 aulas e R$ 160 por mês. Quem tem o próprio paga R$ 25 por aula avulsa, R$ 60 por 4 aulas ou R$ 110 por todo o mês.

Preconceito
As turmas de Kangoo são majoritariamente formada por mulheres e tanto alunas quanto instrutoras apontam que o preconceito é o grande responsável por isso. "Vemos muita gente parando, achando bacana, mas os homens ficam com vergonha de fazer", aponta Wiston Adan.

O CORREIO acompanhou aulas de duas equipes durante o domingo e, além de Adan, o único homem presente foi o autônomo Marco Antônio, de 53 anos. Ele era corredor de rua há 10 anos e começou a sentir incômodo no joelho neste ano. Procurou alguma atividade que reduzisse a dor para não ficar parado, até que conheceu o Kangoo por indicação de um amigo, procurou a aula e se apaixonou.

"Eu corria 7 dias por semana, e agora faço Kangoo 4 vezes e um dia de corrida. Acho que, de fato, existe muito preconceito, mas o esporte é minha vida. Eu curto, danço, tenho só 2 meses mas parece que tem muito tempo", afirma Marco Antônio.

(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)
(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)
(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)
(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)
(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)
(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)
(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)
(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)
(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)
(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)
(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)
(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

A instrutora Laís Tourinho acredita que, além do preconceito, a grande quantidade de mulheres faz com que se crie uma imagem errada de ser uma atividade exclusiva para o sexo feminino.

"Eu costumo dizer que o Kangoo é um esporte para todos, independente de ser homem ou mulher. Não há motivo para os homens não aderirem. Não existe restrição e é uma atividade como qualquer outra, então acredito que é por conta do preconceito e machismo, realmente", afirma a professora.

Wiston Adan afirma que a atividade ajudou a melhorar bastante a sua qualidade de vida: hipertenso, ele diminuiu de 3 para 1 remédio de controle da pressão arterial e afirma que, devagarinho, consegue incentivar outros homens a quebrar essa barreira do machismo e se jogar. "Tem gente que já perdeu 30kg comigo. É uma aula boa, sem enrolação.  Homens, venham cuidar do coração para não dar ruim", aconselha. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas