Liberar máscara em lugar aberto aumentará casos de covid-19? Infectologista responde

bahia
28.03.2022, 06:03:00
(Arquivo CORREIO)

Liberar máscara em lugar aberto aumentará casos de covid-19? Infectologista responde

Cidades baianas flexibilizaram uso e moradores divergem

Em Porto Seguro, no sul da Bahia, o uso de máscara ao ar livre já é facultativo, mas o guia de turismo Daniel Isidoro, insiste em usar o item. Há quem o questione e ele responde que é provável que só dispense o item daqui a um ano. “Não me sinto seguro nem em lugar aberto”, conta ele. Na Bahia, já são seis cidades com utilização facultativa do equipamento de proteção - uns aproveitam a liberdade, outros criticam a medida.

Na última sexta-feira, o prefeito Bruno Reis (UB) defendeu a liberação da máscara na capital baiana. A cidade, segundo ele, está pronta para isso, seja em ambientes fechados ou abertos.

Há 1,4 mil casos ativos de covid-19 e os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) adulto estão com 19% de ocupação, no estado da Bahia, um dos nove estados brasileiros a manterem a obrigatoriedade da máscara. A retirada do item passou a ocupar um papel central nas discussões sobre um símbolo possível fim da pandemia.

Oficialmente, a covid-19 deixará de ser uma emergência de saúde quando houver uma reclassificação de pandemia para endemia, momento em que doença não gerar pressão sobre o sistema de saúde e não forem necessárias estratégias de resposta imediata, mas de médio e longo prazo. Ainda não é o caso, afirmam cientistas. 

Evolução de casos desde o dia 11 de março (Foto: Sesab)

A estabilidade dos registros e internações, no entanto, levaram à liberação do uso da máscara nos seis municípios. O governador Rui Costa (PT) criticou a decisão dos prefeitos que se anteciparam a um decreto estadual. A decisão final do governo deve acontecer em abril e contemplar, primeiro, lugares abertos. Em ambientes fechados, pesquisas já comprovaram que as partículas do vírus permanecem em suspensão no ar até que alguém as inale e, consequentemente, seja infectado.

As cidades que desobrigaram o uso da máscara ao ar livre são, do dia 11 de março até o momento, Mata de São João, Itanagra, Porto Seguro, Santo Antônio de Jesus, São Gonçalo dos Campos e Vitória da Conquista. Nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo, o uso de máscara foi dispensado até em lugares fechados, exceto transporte público e unidades de saúde. 

Desde então, as cidades baianas não registraram aumento no número de casos - mas o intervalo de tempo reduzido, de menos de duas semanas na maioria delas, impossibilita uma análise mais aprofundada sobre os impactos, positivos ou negativos, da medida. 

Cenário da pandemia desde março de 2020 (Foto: Sesab)

Nos municípios, a população se divide. Daniel, o guia de turismo de Porto Seguro, por exemplo, via uma maioria sem máscara mesmo antes da desobrigação oficial do equipamento ao ar livre. São 162 casos ativos de covid-19 no município, segundo a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab). “Já há muito tempo que as pessoas não usam”, conta ele, inclusive criticado por pessoas próximas ou turistas por insistir em cobrir nariz e boca. 

As Prefeituras de Porto Seguro, Mata de São João e Itanagra já haviam tentado dispensar, no ano passado, as pessoas de utilizarem máscara. Em seguida, a decisão era revertida pelo aumento do número de casos de covid-19. 

O que a ciência diz sobre a liberação da máscara? 

A diminuição do número de casos de covid-19 - nos registros oficiais, sem considerar subnotificações - é uma realidade em todos os estados brasileiros. O último boletim da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do dia 25 de março, mostrou que, pela primeira vez desde julho de 2020, os leitos de UTI do país estão “fora da zona de alerta”.

A Fiocruz sinalizou, no documento, um “cenário de otimismo, com taxas abaixo de 60% em todos os estados brasileiros”. 

Os pesquisadores do Observatório Covid, contudo, chamaram atenção para o fato de as taxas de Síndrome Aguda Respiratória Grave e de mortes provocadas por covid-19 ainda serem “significativas. Ou seja, é tempo de um otimismo ainda cauteloso - e o debate sobre as máscaras tem a ver com esse clima. 

O consenso científico em liberar o uso de máscara “não existe”, afirma a infectologista e pesquisadora de Fiocruz, Fernanda Grassi.

“Nesse momento, temos uma situação de maior controle. Acredito que pode haver uma discussão para flexibilizar, em locais abertos sem aglomeração. Mas essa medida precisa ser tomada pelos órgãos, com base em dados, não individualmente”, defendeu.

A pesquisadora defende que, independentemente do estado ou cidade, a decisão de desobrigar o uso de máscaras deve começar por locais abertos. A possível evolução de casos deve ser acompanhada de perto, pois existe uma preocupação de que uma nova onda de infectados pelo coronavírus surja, como ocorreu em parte da Europa.

Em fevereiro, países europeus chegaram a liberar completamente o uso da máscara - inclusive para pessoas infectadas pelo coronavírus, como na Inglaterra. 

O resultado foi um aumento de 27% a 33% nos casos de covid-19 em países como a Suíça, Reino Unido, Áustria, Alemanha, Itália, Holanda e França, de acordo com dados do Our World in Data.

O incremento do número de pessoas doentes reacendeu o alerta sobre o Brasil. Para Grassi, o crescimento de casos na Europa pode ter ocorrido pela “precocidade da medida”. Na Bahia, 50% da população está vacinada com as três doses contra a doença. O maior pico de novos casos, durante a pandemia, aconteceu no dia 3 de fevereiro, com 15.536 notificações.

“Nós podemos pensar em liberar a máscara porque se mantém a diminuição - isso para pessoas com esquema vacinal completo”, disse Grassi. 

Pessoas imunossuprimidas - que possuem alguma doença autoimune ou estão em tratamento contra o câncer -, com esquema vacinal e completo e idosas devem apostar no uso de máscara quando a liberação de máscara ocorrer. “O vírus ainda está circulando. Mesmo liberadas, essas pessoas deveriam usar”, explicou a médica.

Nas ruas, rostos descobertos

No século 14, foi a Peste Negra que, de maneira mais rudimentar, conduziu o surgimento do que viria ser a máscara de proteção. Acreditava-se que a doença se propagava no ar e que, por isso, proteger os rostos era fundamental para evitar a doença. A Gripe Espanhola, no fim da 1ª Guerra Mundial (1918), também popularizou o uso da máscara com fins de proteção contra um vírus. 

Desde o início da pandemia do coronavírus, mais de um século depois, o uso da máscara é obrigatório no Brasil - embora nem sempre seja uma medida cumprida. Em Salvador, onde o uso de máscara ainda é obrigatório em locais abertos e fechados, a flexibilização do uso do equipamento é percebida cotidianamente - das praias aos estabelecimentos comerciais. 

Os rostos são descobertos, às vezes, em decisões individuais. Em Itanagra, no centro-norte da Bahia, antes da flexibilização do uso, já era possível encontrar uma maioria sem o equipamento. Vivem no município 8 mil pessoas, segundo estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

A Prefeitura de Itanagra desobrigou o uso de máscara em ambientes abertos no dia 14 de março. Naquele dia, o município tinha três casos ativos de covid-19 - todos quadros leves da doença. Lá, a fisioterapeuta Angélica Silva, 21, sente-se confortável em não estar sempre de máscara. Hoje, acredita que a situação epidemiológica da cidade permite. Ela só utiliza o item quando é obrigatório.  

“Uso em local fechado, por conta do decreto. Não estamos correndo muito risco, trabalho na área de saúde e não vejo pessoas com sintomas. Os que existem, ficam em quarentena”, conta. 

Em Praia do Forte, parte litorânea do município de Mata de São João, a maioria das pessoas também circula sem máscara, como previsto por decreto. "Muitos já não usavam", diz Rosa Ferreira, 50, que trabalha como caseira em casas luxuosas da região. Ela diz que prefere não arriscar - ainda não se sente segura - e como a minoria se protege, o clima de insegurança é maior, para ela. 

Na cidade, há quatro casos ativos notificados da doença - há dois meses, eram 40, segundo o boletim oficial. Rosa fica ansiosa com a possibilidade de, em breve, as máscaras serem dispensadas inclusive em lugares fechados, mas espera que a terceira dose a proteja. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas