Maragojipe: mais cinco pessoas serão ouvidas em audiência nesta sexta (19)

bahia
19.07.2019, 05:00:00

Maragojipe: mais cinco pessoas serão ouvidas em audiência nesta sexta (19)

Familiares de mulher envenenada prestarão depoimento

O caso do envenenamento de uma mãe e três filhas em Maragogipe, no Recôncavo baiano, terá mais um capítulo nesta sexta-feira (19). Às 9h, haverá uma nova audiência do caso, onde cinco pessoas serão ouvidas.

Esta nova etapa da investigação teve início na quarta-feira (17), quando a suspeita de cometer o crime, Elisângela Almeida de Oliveira, que está presa, prestou depoimento. Por falta de estrutura para a sua escolta, ela foi ouvida por teleconferência. Ela é acusada de envenenar Adriane Ribeiro Santos, 23, e suas duas filhas: Greisse Kelly Santos da Conceição e Ruteh Santos da Conceição, de 5 e 2 anos, respectivamente. 

Nesta sexta, prestarão depoimento a mãe de Adriane, Rosa Ribeiro; Andreza Ribeiro, irmã e tia das vítimas; uma mulher de prenome Maiara, colega da jovem; além de Wilton e Claúdia, ambos membros das igreja de Adriane. O julgamento do caso deve ser marcado ao final da audiência.

Na quarta (17), os familiares e amigos da família das vítimas realizaram um protesto na cidade para cobrar respostas da Justiça no caso, que completará um ano neste mês.

Relembre o caso
Mãe e filhas morrerem envenenadas em Maragojipe, no Recôncavo, no ano passado. O enigma das mortes começou no dia 30 de julho, uma segunda-feira, quando a pequena Greisse Kelly Santos da Conceição, 5 anos, foi socorrida às pressas para um hospital, em São Félix, depois de passar mal. O médico que atendeu a menina contou para a TV Bahia que ela estava salivando e com hiperglicemia (excesso de açúcar no sangue).

A notícia da morte da menina deixou todos surpresos com o que poderia ter acontecido. Na semana seguinte, também em uma segunda-feira (6), a irmã dela, Ruteh Santos da Conceição, 2, passou mal e foi socorrida às pressas para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Maragojipe. Ela chegou na unidade desfalecida e morreu no mesmo dia.

A mãe das duas crianças, Adriane Ribeiro Santos, 23, ainda estava se recuperando da perda das filhas quando passou mal nesta semana, também numa segunda-feira (13), e precisou ser levada às pressas para a mesma UPA, expelindo secreção pela boca, dentre outros sintomas. Ela também não resistiu.

Amiga da família, Elisângela Almeida de Oliveira é acusada do crime está presa. Segundo os investigadores, ela estaria interessada no marido de Adriane e pai das meninas, Jeferson Eduardo Brandão, 29, e isso provocou um desentendimento entre as duas mulheres. A acusada teria, então, colocado inseticida agrícola na comida das crianças e, depois, na da mãe.

Elisângela nega participação no crime (Foto: Reprodução)

Desde que os crimes aconteceram, Jeferson se mudou. Segundo Ana Paula, ele terminou de construir a casa que estava fazendo para morar com a mulher e as duas filhas e está vivendo sozinho. Ela contou que o irmão ainda tem problemas para dormir e continua fazendo uso de remédios. A família espera que Elisângela seja levada a júri popular.

“Acreditamos na justiça. Foram três mortes, sendo duas crianças, que nem puderam se defender. Acreditamos que Deus está no comando e que assim que terminar essa audiência será marcado o júri popular”, afirmou.

Elisângela conheceu Jeferson e Adriane na igreja e frequentava a casa da família. Durante a investigação, a polícia cumpriu mandados de busca e apreensão no local onde a acusada morava com o marido, Valci Boaventura Soares. Eles também foram acusados no decorrer do inquérito de coagir testemunhas para que não dessem informações à polícia e destruir provas que poderiam revelar o envolvimento deles nas mortes.

Adriane e as filhas foram envenenadas (Foto: Reprodução)

Valci foi solto em novembro por falta de provas. Já Elisângela segue presa no Complexo Penitenciário da Mata Escura, em Salvador. Ela nega envolvimento no crime e, em uma entrevista em outubro do ano passado, insinuou que Jeferson, marido e pai das vítimas, poderia ter cometido o crime. A polícia não acredita nessa versão. A filha e uma sobrinha dos acusados também serão ouvidas na audiência.

Em março deste ano, depois de denunciar Elisângela Almeida de Oliveira pelas mortes de uma mulher e duas crianças por envenenamento, em Maragojipe, no Recôncavo baiano, o MP-BA resolveu denunciar também o marido dela, Valci. Até então, ele era tratado apenas como testemunha

Em nota, o MP informou que esse foi também o motivo para o cancelamento da audiência que estava agendada para acontecer no dia 20 de março. Disse ainda que tomou a decisão de incluir Valci no processo depois de ouvir o depoimento das testemunhas na primeira sessão do caso, realizada em fevereiro.

O documento aponta que o marido de Elisângela será denunciado porque foram "constatados fortes indícios de participação do mesmo nos crimes".

Confira a cronologia do caso:

  • Antes do dia 30 de julho – Não se sabe quando, exatamente, mas o cachorro da família foi o primeiro a morrer. O animal veio a óbito poucos dias antes da morte da primeira criança.

  • 30 de julho – A filha mais velha de Adriane e Jeferson, a pequena Gleysse Kelly Santos da Conceição, de 5 anos, morreu após passar mal. Na época, a família chegou a imaginar que ela tinha sido vítima de uma complicação do diabetes. Ela deu entrada em um hospital salivando e com hiperglicemia (excesso de açúcar no sangue).

  • 6 de agosto – Na segunda-feira seguinte, a irmã dela, Ruteh Santos da Conceição, 2, passou mal e foi levada às pressas para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Maragojipe. Ela chegou na unidade desfalecida e morreu no mesmo dia.

  • 11 de agosto – Em seu Facebook, Adriane fez um desabafo. “Amores❤. Eu lutarei para chegar no Céu, para abraçar vocês. #NaEternidadeVouTeVer. #GleysseKelly???? #Ruteh???? (sic)”, escreveu.

  • 13 de agosto – Também numa segunda-feira, Adriane passa mal durante o culto e é levada ao hospital. Ela morreu já na unidade de saúde.

  • 17 de agosto – Responsável pela investigação do caso, o delegado Marcos Veloso solicitou a exumação do corpo de Gleysse. Como foi a primeira a morrer, ela acabou sendo enterrada por "morte natural”.

  • 5 de setembro – Depois de uma decisão favorável da Justiça, o Departamento de Polícia Técnica (DPT) realizou a exumação dos corpos de Gleysse e Ruteh.

  • 14 de setembro – O juiz Lucas de Andrade Cerqueira Monteiro, substituto da comarca de Maragojipe, assina o deferimento do pedido de busca e apreensão cumprido na residência do casal Elisângela e Valci, em Conceição da Feira.

  • 15 de setembro – Parentes de Adriane e das filhas são ouvidos pela polícia, assim como casal Elisângela e Valci.

  • 20 de setembro - Sete pessoas foram ouvidas pelo delegado Marcos Veloso, numa acareação. No processo, os convocados foram convidados a contar, juntos, suas versões sobre os acontecimentos.

  • 21 de setembro – Mandado de busca e apreensão é cumprido na residência do casal Elisângela e Valci, em Conceição da Feira.

  • 28 de setembro – A decisão que autorizou o cumprimento do mandado de busca é publicada no Diário Oficial de Justiça.

  • 11 de outubro – Prisão de Elisângela e Valci, suspeitos de usar inseticida para matar Adriane e as duas filhas.

  • 16 de outubro - Polícia divulga o resultado da acareação realizada com os acusados das mortes que aponta o motivo como um desentendimento entre Elisângela e Adriane, onde a primeira estaria interessada no marido da segunda.

  • 14 de fevereiro – Acontece a primeira audiência sobre o caso, no fórum de Maragojipe. Sete testemunhas são ouvidas.

  • 20 de março - Audiência cancelada.

  • 27 de março: MP denuncia marido de suspeita em mortes de mãe e filhas;

  • 17 de julho: Nova audiência por conferência teve início;

  • 19 de julho: Continuidade da audiência. Parentes de Adriane e pessoas ligadas à igreja frequentada por prestarão depoimento.

* Com orientação da subeditora Fernanda Varela


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/girassol-whindersson-nunes-e-priscilla-alcantara-lancam-musica/
A música já está disponível em plataformas digitais
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/carolina-ferraz-diz-que-nao-vai-mais-atuar-em-novelas/
Ela diz que vai continuar atuando em filmes e minisséries
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/ufrb-aluno-diz-que-recusou-prova-de-professora-negra-por-questao-de-energia/
Vídeo mostra Danilo com mala e sacola conversando com delegado e professor na Rodoviária de Salvador
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/meu-deus-do-ceu-mataram-morador-gravou-morte-de-suspeito-de-assalto/
Comparsa foi agredido; população evitou roubo de carro na Ribeira
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/vencedor-do-festival-de-berlim-synonymes-estreia-em-salvador/
Longa-metragem narra história de um soldado israelense que foge para Paris
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/suspense-em-familia-a-moda-de-agatha-christie/
Com três indicações ao Globo de Ouro, Entre Facas e Segredos revive o velho e bom clima de “quem matou?”
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/estudante-acusado-de-racismo-tentou-usar-cota-para-entrar-na-ufrb/
Ele teve o pedido negado, mas tentou recurso para conseguir vaga
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/estudante-e-hostilizado-em-residencia-vamos-ver-com-quantos-paus-se-mata-um-racista/
Caso ocorreu na residência universitária onde morava o estudante que se recusou a receber prova de professora negra
Ler Mais