Mercado enxuto: construção civil tem menor número de empresas na Bahia em 8 anos

economia
18.06.2021, 06:30:00
Atualizado: 18.06.2021, 09:44:30

Mercado enxuto: construção civil tem menor número de empresas na Bahia em 8 anos

Apesar disto, setor está em fase de recuperação com valorização dos imóveis

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um setor bem mais enxuto. É essa o retrato do setor de construção civil da Bahia desde o início da pandemia, conforme revelado pela Pesquisa Anual da Indústria da Construção (PAIC), divulgada pelo IBGE nesta quinta-feira (17) com dados de 2019. Em 31 de dezembro daquele ano, estavam abertas 2.372 empresas da construção civil no estado, número 9,2% abaixo do registrado em 2018 (2.613) e o menor desde 2011. De acordo com economista ouvido pelo CORREIO, esse cenário não deve mudar no curto prazo. No entanto, a queda no número de CNPJ’s abertos não significa necessariamente um choque no setor e nem na sua capacidade de gerar empregos.

Pelo menos, é isso que garante Carlos Henrique Passos, diretor de relações institucionais do Sindicato da Indústria da Construção do Estado da Bahia (Sinduscon-BA), que cita que, em 2021, 7 dos 52 mil empregos gerados na Bahia foram na construção civil. “Como os negócios são muito individuais e não há grandes obras públicas ou imobiliárias, os contratos estão menos amplos, o que deixa empresas menores de fora. É preciso analisar o setor todo e não só olhar para o que se perdeu. Estamos relativamente bem dentro de uma economia complicada”, garante. 

Um exemplo desse bom andamento do setor é a MRV Construtora.  “Nosso nível de contratação de mão de obra, por exemplo, apresentou aumento para garantir o cumprimento de cronogramas de entregas e em função das várias obras que estão sendo iniciadas no estado. Em Salvador e Região Metropolitana foram lançados três empreendimentos nesta primeira metade de 2021 e novos lançamentos de imóveis vão ocorrer para atender clientes de diferentes faixas de renda”, afirmou a empresa em nota enviada à reportagem.

Para Passos, o fechamento de quase trezentas empresas poderia indicar uma alta na desocupação de postos de trabalho, mas não é o que tem acontecido segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que também são destacados por ele. “Quando o foco é o que se tem hoje e a economia que estamos lidando, estamos bem. Nós perdemos, em 2020, 638 postos de trabalho, o que é pouco se considerarmos a pandemia. O setor de serviços, por exemplo, perdeu cerca de 10 mil vagas. O segmento que gerou emprego foi basicamente a agropecuária, com 2 mil postos sendo ocupados”, salienta. 

Realidade diferente

A necessidade de avaliar o setor com foco no que temos hoje como realidade econômica é reforçada pelas falas de Tiago Brito, economista e head de mercado de capitais da Arazul Capital, que explica que existe uma diferença considerável para o que se viu na Bahia - e no Brasil - até 2014, quando havia uma crescente na construção civil porque existia uma alta  de investimento do governo em obras públicas, o que, segundo ele, é um dos principais indutores da construção civil.

“Antes, tínhamos refinarias sendo construídas, rodovias sendo duplicadas, usinas hidroelétricas, termoelétricas e o governo federal como carro chefe de todo esse cenário, mas o governo deixou de ter liquidez para tocar essas obras. O Brasil hoje é um canteiro de obras paradas e a Bahia também se encontra na mesma situação, o que maltratou a construção civil”, informa. 

Mariana Viveiros, supervisora de disseminação de informações do IBGE, ratifica tanto as falas do economista como do diretor do Sinduscon, explicando que há uma mudança no perfil do setor e que, a partir dessa alteração, existe um crescimento que mostra recuperação da construção civil baiana. "O setor vem encolhendo a partir de 2015 e 2016, um movimento contínuo que a gente vem verificando com a redução de empresas que vão fechando as portas. O que parece é que há mesmo uma mudança de estrutura na construção civil do estado, que está mais enxuto, o que não quer dizer que é menos importante economicamente porque o valor agregado por ele mostra um crescimento recente", conta Mariana, citando a recuperação de 2018 e 2019 no ramo.

Motivos da queda

Para Passos, o encolhimento constatado quando o assunto é volume de empresas no setor em território baiano é resultado da soma de um problema da área imobiliária com os problemas nas obras públicas, reduzindo a oportunidade de serviços para empresas que contavam anteriormente com a execução de programas como o Minha Casa, Minha Vida. “Temos poucos investimentos em obras públicas e, quando elas existem, são na área de mobilidade urbana, logística ou mesmo de rodovias. Não são obras que geram oportunidades distintas também para os pequenos, como as de edificações. Começou a surgir até uma recuperação do mercado imobiliário em 2019, mas aí veio a pandemia”, relata. 

Outro ponto que é crucial para explicar o processo de diminuição do número de empresas nos últimos anos é a "dilaceração" de grandes construtoras da construção civil baiana, como a Odebrecht e a OAS durante a Lava Jato. É o que diz Tiago Brito, que explica que essas empresas eram responsáveis por um volume alto de construtoras subcontratadas, gerando renda também para pequenas empresas no ramo. 

“Eram grandes empregadores, também subcontratavam empresas menores, empresas satélites do próprio estado para tocar obras em todo território baiano. Sem dúvida nenhuma, a queda dessas construtoras baianas que foram alvo da Lava Jato diminuiu o tamanho dela e limitou também o alcance delas em serviços na Bahia, o que influencia bastante na queda da nossa construção civil”, afirma. 

O último fator apontado pelo economista como vetor da queda do volume de contratação e o consequente fechamento das empresas é o crédito imobiliário, que é um dos principais ativos para incorporação imobiliária. “Com alto desemprego e alta informalidade, você não consegue crédito imobiliário. Se eu tô desempregado ou trabalhando no mercado informal, não consigo financiar um apartamento na Caixa Econômica pela fragilidade da minha renda. A Caixa não vai me conceder um empréstimo de 30 anos se eu não tiver uma renda comprovada. O mercado imobiliário depende de crédito imobiliário, depende de renda, das pessoas empregadas”, alerta.

*sob supervisão da chefe de reportagem Perla Ribeiro

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas