Mesmo presos, líderes da facção CP ainda comandam o tráfico no Vale das Pedrinhas

salvador
10.04.2018, 05:00:00

Mesmo presos, líderes da facção CP ainda comandam o tráfico no Vale das Pedrinhas

Saiba quem são os líderes que controlam a região

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Por trás das grandes, as ordens são dadas e, de imediato, os soldados do tráfico vão executá-las. Apesar de estarem custodiados no Complexo Penitenciário da Mata Escura, os traficantes Val Bandeira e Leandro P, lideranças da facção Comando da Paz (CP), que comandam o tráfico de drogas na região do Nordeste de Amaralina, formado por quatro bairros: Nordeste, Santa Cruz, Chapada do Rio Vermelho e o Vale das Pedrinhas.

Líder e fundador da facção no local, Joseval Bandeira, o Val Bandeira, criou o Comando do Boqueirão (CB), que posteriormente se tornou CP. “Depois de uma dissidência no próprio CP, Val Bandeira montou o CB. Inicialmente, houve confronto com outros grupos, porque o CB era isolado no Boqueirão. Mas, depois, houve uma junção e ele passou a comandar todo o CP no complexo”, contou um policial da 28ª Delegacia (Nordeste de Amaralina).  Em setembro de 2012 o CORREIO noticiou a criação do CB com exclusividade

Val Bandeira seria solto dezembro do ano passado. Mas, duas horas antes de ser liberado do sistema prisional, foi preso novamente dentro do Complexo Penitenciário da Mata Escura, em Salvador. Ele seria beneficiando por um livramento condicional após 14 anos de detenção, mas continuava determinando a execução de crimes fora da cadeia. 

Val tem atuação no tráfico de drogas, roubos a bancos e homicídios. A saída do presidiário aconteceria após uma audiência, mas o cumprimento do mandado de prisão manteve o chefão do tráfico preso. Além da Unidade Especial Disciplinar (UED), na Mata Escura, ele também ficou preso nas unidades federais de Catanduvas (PR) e Serrinha, no Centro-Norte baiano, devido ao seu elevadíssimo grau de periculosidade.

Leandro P
Abaixo de Val está Leandro Marques Cerqueira, conhecido como Leandro P, preso em novembro de 2016. Policiais militares faziam rondas quando avistaram uma HB20 na Rua Amazonas, na Pituba. Com ele foram encontrados 11 pinos de cocaína e uma certa quantia de dinheiro. Leandro tinha três mandados de prisão em aberto por homicídio. Ele é acusado da morte do soldado da Polícia Militar Diego Márcio Tavares de Oliveira, em 2014. Além disso, Leandro seria dono de uma frota de seis táxis.

Em 2012, ele foi preso quando preparava uma fuga para São Paulo. No momento da prisão, realizada em São Caetano, os investigadores apreenderam com Leandro R$ 39.500 em dinheiro, uma caminhonete Fiat Strada e um Palio Adventure, além de cinco celulares e chaves de outros três carros. 

Elias
Ainda sobre o organograma da facção, abaixo está Marcelo Henrique Menezes dos Santos, o Elias ou Pinto. Ele é um dos gerentes do grupo e está solto depois de não retornar ao Complexo Penitenciário da Mata Escura – ele foi beneficiado pelas saídas temporárias.  

Logo em seguida está Pai Pequeno, que atualmente está no Nordeste e recebe ordens da ponta da pirâmide. Recentemente, um dos integrantes da facção, ligado a Pai Pequeno, morreu em confronto com a polícia. Jadson de Araújo Pinheiro, 26, foi baleado num tiroteio com policiais civis do Departamento de Crimes Contra Patrimônio (DCCP) no Nordeste de Amaralina.  
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas