Mestres brasileiros da gravura

césar romero
01.10.2017, 16:55:02
Atualizado: 01.10.2017, 17:11:33

Mestres brasileiros da gravura

O Brasil se destacou na produção de gravuras nos anos 60 e 70, com vários artistas premiados

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A gravura de forma tradicional se inicia sobre uma matriz de madeira, metal ou pedra. A gravura tem três estágios na confecção, cria-se sobre a matriz com instrumentos e técnicas caracterizantes, depois se entinta a matriz e, posteriormente, vem a impressão, numa prensa ou de forma manual. Gravuras são originais múltiplos, as imagens saídas de uma matriz única podem ser reproduzidas em varias impressões, quantas o artista queira, e cada reprodução numerada é uma obra de arte. A grande vantagem da gravura é ser um múltiplo que tem preço bem acessível, podendo ser consumida por muitos apreciadores ou colecionadores. O material da matriz artesanal pode variar muito e classifica o tipo de gravura.

goeldi

Gravura de Iswaldo Goeldi (1895-1961), um dos nome de destaques da gravura no Brasil (Foto:divulgação) 

A gravação da imagem é um processo de incisão, podendo ser em horizonte quando o sulco recebe a tinta que aparece como positivo no produto final e ainda em relevo quando a superfície em alto relevo recebe a tinta, e o sulco aparece em negativo, sem a presença da tinta. A transferência da imagem para um tipo de suporte como papel ou tecido é de cuidadoso fazer, que qualifica ou não a artesania do artista.

O Brasil foi um dos países que mais se destacaram em gravura nos anos 60 e 70 e teve representantes premiados em certames internacionais de grande prestígio. Eram essencialmente gravadores Oswaldo Goeldi (1895– 1961), nosso maior gravador (foto), Lívio Abramo (1903-1992), Marcelo Grassmann (1925- 2013), Evandro Carlos Jardim , Carlos Oswald (1882-1971), Lasar Segal (1891-1957). Destacaram-se no Brasil instituições especializadas na técnica: Clube de Gravura de Porto Alegre, dirigido por Carlos Scliar (1920–2001) e se exercitava com temáticas sociais e políticas. Ainda o Ateliê Coletivo, criado e dirigido por Aberlado da Hora (1924-2014) em Recife, que produzia, sobretudo, xilogravuras, inspiradas na cultura popular nordestina.

Em termos históricos, a gravura era executada com objetivos documentais, comerciais e artísticos. Documentais, se prestava a registrar a realidade, um papel desempenhado hoje pela fotografia.

Comerciais usadas para rótulos, impressões para propagandas. Artísticos quando o indivíduo buscava resultados estéticos.
A origem da gravura surge com as origens da impressão. A primeira xilogravura com datação é de 1.423, uma imagem de São Cristóvão guardada com grande cuidado em Manchester, Inglaterra.

A gravura não só consolidou um enorme mercado no século XV, divulgando imagens religiosas, cartas de baralhos, selos, rótulo de produtos, jornais e livros, como até hoje nos surpreende com a alta qualidade de artistas gravadores. 


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas