'Michael, ele não ligam pra gente!': fãs foram à loucura com Michael Jackson e Olodum

clarissa pacheco
19.07.2020, 05:00:00

'Michael, ele não ligam pra gente!': fãs foram à loucura com Michael Jackson e Olodum

Videoclipe gravado no Pelourinho e no Morro Santa Marta tem 717 milhões de visualizações

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Depois da passagem do 'original', janela ainda exibe fotografia de Michael Jackson no Largo do Pelurinho
(Foto: Arquivo CORREIO)

Uma foto de Michael Jackson ainda está na sacada do prédio no Largo do Pelourinho de onde foram feitas as imagens para o videoclipe de ‘They don’t care about us’, há 24 anos. Por um preço módico, dá para subir lá - pós-pandemia, por favor! - e fazer uma foto com o boneco do ídolo pop que gravou com o Olodum no dia 10 de fevereiro de 1996. Em 2010, Joe Jackson, pai de Michael, visitou o grupo.

O famoso ‘Michael, eles não ligam pra gente’ foi testemunhado por uma multidão que se aglomerava antes dos cordões de isolamento de segurança, aos gritos e lágrimas, com cartazes, tudo para ver o ídolo de perto. A cena que compõe o clipe também gravado no Morro Dona Marta, no Rio de Janeiro, e dirigido por Spike Lee, foi registrada pelo fotógrafo Edson Ruiz, do CORREIO.

Michael Jackson só desembarcou em Salvador mesmo no dia 10 de fevEreiro daquele ano, um sábado, exatos dez dias antes do feriado de Carnaval. Já o diretor Spike Lee chegou antes. Na véspera, a sexta-feira, foi dia de ensaiar a coreografia com 220 integrantes do Olodum, grupo convidado pelo norte-americano no final do mês de janeiro de 1996 para a empreitada.

O rei do pop encantou os fãs e levou muita gente à loucura - do aeroporto ao Pelô, passando pelo hotel e avenidas da capital baiana. No ano passado, nos 40 anos do CORREIO, Doris Miranda falou sobre essa visita:

"Acompanhado de duas crianças (um menino e uma menina) e de uma imensa entourage, que envolvia um médico e um chef de cozinha particular, Jackson movimentou Salvador inteira, da rotina prática do trânsito do centro da cidade à emoção dos seu milhares de fãs. No aeroporto, a histeria foi coletiva, dos passageiros aos funcionários dos balcões das companhias aéreas. Os fãs, então, nem se  fala. Foram em peso com gritaria, choro, cartazes e viram de longe um Michael coberto da cabeça aos pés: chapéu, mangas compridas e até uma máscara cirúrgica. De fora, só os olhos e as mãos", escreveu.

Já no Pelourinnho, cantou, dançou, sorriu e foi dirigido por dois gigantes: além de Spike Lee, teve a regência de Neguinho do Samba. O resultado foi um videoclipe ao som envolvente da batida do Olodum, falando sobre misérie a abandono.

Músicos do Olodum ensaiaram na véspera com Spike Lee: no dia 10, já com Michael Jackson
(Foto: Edson Ruiz/Arquivo CORREIO)

O fato de um estrangeiro vir ao Brasil falar de miséria gerou polêmica. No Rio de Janeiro, a Secretaria de Turismo foi contra a gravação. O então secretário Ronald Cezar Coelho, que teve apoio de nomes como Pelé, criticou a ideia e disse que o videoclipe iria influenciar negativamente a imagem do Brasil. O Itamaraty, no entanto, autorizou o projeto e 'They don't care about us' teve imagens em Salvador e no Morro  Dona Marta, no Rio.

Postado em 2009 no canal oficial de Michael Jackson no YouTube, o clipe tem 717 milhões de visualizações.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas