Mistério envolve construção de sobrado que deve abrigar Museu da Música

nelson cadena
25.10.2019, 11:22:53

Mistério envolve construção de sobrado que deve abrigar Museu da Música

A prefeitura de Salvador anunciou na semana passada o início de obras do Museu da Música, uma boa notícia para os soteropolitanos pelo que representa como valor agregado: mais um espaço cultural e diferenciado para a cidade com impacto direto no turismo e na requalificação do Comércio. O museu, segundo se sabe, terá dois andares para exposição, um foyer, auditório, oficinas e espaços para ensaios (individuais e de bandas), restaurante, loja e uma luthieria para a fabricação de instrumentos, dentre outros itens de ocupação.

Pena que o prédio não tenha um histórico de sua construção, ou ocupação, em função de não ser um imóvel tombado individualmente; integra uma área tombada pelo IPHAN em 1969, do qual faz parte também o prédio dos fundos, que a Prefeitura pretende recuperar para instalar o Arquivo Público Municipal. Em levantamento feito pelo IPAC, em 1974, o sobrado já tinha sido descaracterizado, com intervenções que alteraram todo o interior do edifício e parte de sua fachada.

Imóvel também é conhecido como Casa dos Azulejos Azuis (Foto: Max Haack/SecomPMS)

Duas perguntas são pertinentes ao tema? Quem mandou construir e residiu no local? Ninguém sabe até hoje quem foi o proprietário e meu sentimento é que aquilo nunca foi residência e sim um imóvel comercial. Toda a vizinhança era. Quem em são juízo construiria um prédio com 60 janelas voltadas para os fundos da Alfândega, com largura entre 12 a 15 metros apenas, sem área de serviço? Naquela época, os homens ricos de Salvador não moravam mais no Comércio e sim na Vitória, no Santo Antônio, na Graça. Se fosse residência de um potentado, hoje saberíamos.

Na internet circulam já algum tempo informações inverossímeis sobre o suposto proprietário. Atribui-se a José da Silva Lisboa, Visconde do Cayru. Não faz sentido, o Visconde faleceu em 1835 e a construção é do final do século XIX. Atribui-se também ao Comendador Antônio dos Santos Coelho. Também não faz sentido. O Comendador jamais residiu na Bahia, viveu na Paraíba e no Rio de Janeiro - na capital paraibana foi chefe de polícia e no Rio delegado. O engano se deve ao fato de Santos Coelho ter morado da Casa dos Azulejos de João Pessoa.  

Então, quem construíu o prédio? Esse é o desafio para os pesquisadores agora que o imóvel terá um uso qualificado. A foto mais antiga do local, do francês Camille Vedanni, 1860, em torno de três décadas antes da construção, nos revela um conjunto de casas de dois andares, e ao lado um hotel, um restaurante e outro estabelecimento que parece um bar. Essas casas foram derrubadas em 1867 para construir a Rua das Princesas, hoje Rua Portugal, esquina do prédio dos azulejos.

Em 1914, foi construída a Praça Cayru, arborizada em 1920 e, em 1934, reformada para a instalação do monumento ao Visconde do Cayru, obra do escultor Pasquale de Chirico. O prédio dos azulejos então já tinha ocupação comercial, provavelmente desde suas origens, vocacionada para os negócios portuários. Ali funcionavam a representação da linha italiana dos navios Andrea Zanchi; a linha holandesa Haven Line; escritórios diversos dos vapores Augusta; Cervino, Johshaven, Mar Blanco, Norge, Tara, Towa, e Zitella. E ainda os escritórios dos despachantes Manuel P. Azevedo, N.F. Macedo, Octavio A. Gomes, Orlando Mattos, Synd Despachos Aduaneiros, agência Machado Vapores e o Instituto de Aposentados Marítimos.

Em outras áreas de negócios encontramos os escritórios de Affonso R & Filhos, Felix Veiga, Pharmaclínica e o bar Tic Tac. E na década de 40 a representação da Revista Diretrizes e outra da Gazeta de Notícias. A vista era outra: um conjunto de belos e frondosos ficus que faziam sombra e refrescavam as tardes ensolaradas do Verão.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas