Moradores relatam tensão após deslizamento em Plataforma

salvador
22.05.2020, 12:56:00
Atualizado: 22.05.2020, 14:08:24
Imóvel cedeu em Plataforma e atingiu outras casas; ninguém ficou ferido (Foto: Tiago Caldas/CORREIO)

Moradores relatam tensão após deslizamento em Plataforma

Codesal registrou 41 deslizamentos de terra na capital até as 11h desta sexta-feira (22)

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Não é incomum se ver pela internet a máxima de que "o pobre não tem um minuto de descanso no Brasil". Mesmo quando falada em tom de brincadeira, a frase carrega duras verdades. O humor é uma boa alternativa para lidar com realidades tão difíceis.

Jeolinaldo estava no trabalho às 4h desta sexta-feira (22) quando recebeu a notícia de que um muro cedeu na Rua dos Tecelões de Cima, bairro de Plataforma, no Subúrbio Ferroviário de Salvador. A imagem assusta: uma cratera gigantesca se abriu e chegou a atingir algumas casas. Por sorte, ninguém ficou ferido.

Essa foi apenas uma das 145 solicitações que a Defesa Civil de Salvador (Codesal) recebeu até as 11h desta sexta. Foram 41 deslizamentos de terra, 29 ameaças de desabamento, 19 infiltrações, 17 avaliações de imóvel alagado, 16 ameaças de deslizamentos, sete desabamentos parciais, cinco árvores ameaçando cair, três desabamentos de muro, dois desabamentos de imóvel, duas avaliações de área, duas árvores caídas, um imóvel alagado e um alagamento de área.

A estofadora Cláudia Souza estava em casa quando tudo aconteceu. A casa dela foi atingida por uma viga que cedeu junto com o imóvel acidentado e por isso ela se diz abençoada por um livramento: normalmente, estaria lavando roupas ou fazendo alguma atividade doméstica de frente ao local atingido.

A equipe da Codesal esteve local fazendo a vistoria e acionou equipes da Limpurb e da Secretaria de Manutenção da Cidade (Seman) para a execução de medidas paliativas. As famílias foram notificadas para evacuar os imóveis.

Barra
Uma área nobre da capital também sofreu com a chuva. Se recuperando de uma fratura no dedão do pé, o major do Corpo de Bombeiros Rogério Cerqueira trabalhava de casa quando escutou um barulho estranho. Quando olhou da janela viu a situação: uma parte da calçada e do muro na Ladeira da Barra, na altura do Yatch Clube, cedeu com a força da chuva.

"Na hora, eu pensei que tinha sido uma batida de carro. Ontem vieram algumas pessoas da Codesal e hoje pela manhã trocaram a lona", relata.

Parte dos escombros caíram no estacionamento da agremiação social, mas na hora do acidente, não havia ninguém no local. Também não houve danos a nenhum carro.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas