Morre segundo indígena vítima de covid-19 na Bahia

coronavírus
12.07.2020, 10:30:00
Atualizado: 12.07.2020, 10:51:59

Morre segundo indígena vítima de covid-19 na Bahia

Vítima era ancião de 78 anos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Internado em estado grave, um indígena ancião de etnia pataxó morreu esta semana num hospital público de Porto Seguro, no Sul da Bahia. Falecido na terça-feira (7), Valmir Nunes Alves, de 78 anos, era residente na terra indígena Coroa Vermelha, na cidade de Santa Cruz Cabrália. 

A vítima chegou a ficar hospitalizada por duas semanas e foi entubado em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mas não resistiu. As informações são da Prefeitura de Cabrália, da Associação Nacional de Ação Indigenista (Anaí) e do Movimento Unido dos Povos e Organizações Indígenas da Bahia (Mupoiba).

A primeira vítima indígena da covid-19 no estado também era homem idoso e morador da região sul, mais precisamente da terra indígena Tupinambá de Olivença, em Ilhéus. O falecimento aconteceu em maio, após um surto de contaminação no Hospital da Costa do Cacau. A princípio, o homem havia sido internado com quadro de derrame cerebral (AVC) e teria se infectado na unidade, hipótese confirmada pela secretaria municipal de saúde.

Os movimentos indígenas vem denunciando o descaso com a saúde dos povos tradicionais, sobretudo com relação aos idosos, apontando o risco de perda da transmissão de culturas ancestrais, como línguas e festas.

Até o momento, a morte da segunda vítima ainda não foi computada pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), ligada ao Ministério da Saúde, que registra apenas um óbito na Bahia. A Prefeitura de Cabrália emitiu nota lamentando a morte de Valmir Nunes.

Monitoramento de casos 

De acordo com o último boletim da Anaí, já são 90 casos confirmados de covid-19 entre povos indígenas no estado, dos quais 63 já são considerados recuperados e 25 pessoas ainda estão com o vírus ativo no corpo. Outros 70 casos são considerados suspeitos. 

A maioria das ocorrências foi registrada na terra indígena Tupinambá de Olivença, que acumula 37 casos confirmados da doença e 24 pessoas com suspeita. O informativo da organização chama atenção para a chegada do vírus no Norte da Bahia, no povo indígena Tumbalalá, onde já há quatro casos de infectados da mesma família. Destes, dois vivem na aldeia Cajueiro e outros dois na Pedra Branca, no município de Curaçá.

A associação denuncia o engavetamento do reconhecimento da área como terra indígena pertencente aos Tumbalalá e ainda o descaso da fiscalização da prefeitura de Curaçá quanto à existência de garimpo ilegal na região. De acordo com relato da comunidade à Anaí, foram os próprios indígenas que pagaram pelos testes que confirmaram o diagnóstico da doença. Felizmente, a família infectada está bem e a previsão é de cura.

Terra Indígena Confirmados Ativos Óbitos Suspeitos Recuperados
Tumbalalá 4 4 00 2 00
Tupinambá de Olivença 37 00 1 24 36
Caramuru Paraguaçu 3 1 00 00 2
Coroa Vermelha 19 3 1 20 15
Barra Velha do Monte Pascoal 8 8 00 * 00
Águas Belas 2 2 00 * 00
Comexatibá 17 7 00 * 10
Totais 90 25 2 70 63

*Nestas três terras, que são contíguas, o total de casos suspeitos é de 24.

Fonte: Associação Nacional de Ação Indigenista (Anaí)

Ação

Após arrecadações voluntárias, a Anaí distribuiu nesta semana 23 caixas com cem escudos de proteção facial, 3,2 mil máscaras feitas por costureiras do coletivo Delas para Todxs, além de 8,4 mil kits de materiais para confecção de máscaras. Estes materiais foram adquiridos como resultado da campanha "150 fotos pela Bahia, da qual o CORREIO participa. A campanha, encerrada em 5 de julho, reuniu fotógrafos de todo o estado que venderam sua arte para ajudar famílias impactadas pela pandemia. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas