Mostra sobre Dona Canô faz revelações afetivas

colunistas
12.03.2018, 11:28:07
Atualizado: 12.03.2018, 12:09:24

Mostra sobre Dona Canô faz revelações afetivas


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Na Caixa Cultural Salvador – Rua Carlos Gomes  57 - a exposição Ser Feliz é Pra Quem Tem Coragem com subtítulo Dona Canô Chamou, que homenageia Dona Canô, uma mulher que viveu 105 anos, um dos símbolos da cidade de Santo Amaro da Purificação e matriarca da família Velloso.

 Uma revelação baseada nos afetos que reúne objetos pessoais, fotografias, textos, canções, poemas, vídeos e depoimentos sobre uma mulher que guardava em si um profundo amor incondicional pelos filhos, alegria de viver, coragem e espírito de liderança. Gostava do rito e da festa. Sua casa estava sempre aberta, era uma grande anfitriã, sua mesa sempre farta, acolhia quem chegasse. Era uma cozinheira de mão cheia, as receitas sempre guardadas na memória. As festas de Santo Amaro sempre tinham sua participação direta, sejam as religiosas como também o São João, Páscoa com a queima de Judas, o Natal e Ano Novo.

 Era carismática e com seu prestígio pessoal trouxe para sua cidade benefícios, como a restauração da igreja de Nossa Senhora da Purificação, e a limpeza das águas do Rio  Subaé.
Tinha um carinho especial para a festa de Terno de Reis e a Lavagem de Santo Amaro.

A proposta para esta homenagem veio de sua neta Ju Velloso Mesquita, que contou com a colaboração de parentes e amigos. Rodrigo Velloso, guardião da casa e uma equipe mais ligada à família, vasculharam caixas, armários, gavetas, fotos e cartas para a confecção da mostra, que foi montada seguindo uma linha cronológica e  concebida em instalações multissensoriais.

Ser mãe é ser um modelo a seguir, levar seus filhos a caminhos melhores, uma razão de viver, um acolhimento em que todos são especiais. Dona Canô sempre apoiou e estimulou as escolhas dos filhos. Nisso colaborou com o crescimento pessoal, intelectual e artístico deles. Orientou a enfrentar tempestades e a ver a vida como um tesouro maior.

 Criou seus oito filhos, com o marido Zeca  por 53 anos. Ensinou que o enfrentamento é o destino dos vencedores. Embora fosse mãe de Caetano Velloso, Maria Bethânia e Mabel Velloso, filhos famosos, Dona Canô tinha brilho próprio. Era líder em sua cidade. Foi a primeira mulher a usar calças, emprestada de seu cunhado “Tio Sinhô” e também a primeira a dirigir um automóvel.

 A exposição inédita traz expografia e cenografia de Ana Kalil, quando são apresentados a coleção de terços, o altar que orava, estandartes das festas que participava, fotografias raras do acervo famíliar, depoimentos em vídeo, uma mesa de refeições com pratos onde são visualizados em projeção mapeada, depoimentos de filhos, netos e amigos.

Ser Feliz é Para Quem Tem Coragem é uma mostra reveladora de uma personagem especial e cativante.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas