Mulher que confrontou Bolsonaro faz parte de ações do MBL contra presidente

em alta
10.06.2020, 12:20:31
Atualizado: 10.06.2020, 12:29:45

Mulher que confrontou Bolsonaro faz parte de ações do MBL contra presidente

Eleitora arrependida, ela questionou presidente sobre mortes na pandemia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

(Foto: Reprodução/Facebook Jair Messias Bolsonaro)

A mulher que confrontou Jair Bolsonaro (sem partido) na manhã desta quarta-feira (10) no cercadinho que reúne apoiadores dele em frente ao Palácio da Alvorada faz parte de um pacote de ações que o Movimento Brasil Livre (MBL) planeja contra o presidente. Bolsonaro mandou a mulher sair e disse que ela falava "abobrinha" ao ser questionado sobre as mortes causadas pela covid-19 no Brasil.

O MBL, que se mobiliza pelo impeachment de Bolsonaro após apoiar a candidatura dele, diz que fará ao longo do dia outros atos contra Bolsonaro, incluindo carreatas e panelaços.

Segundo a coluna  Painel na Folha de S. Paulo, a mulher que confrontou o presidente é Cris Bernat, 33 anos. Ela afirma que votou em Bolsonaro na última eleição e se arrependeu. Ela tem proximidade com o MBL.

"Tenho um canal do YouTube há cerca de três anos e, na época da eleição, quando ainda não tinha proximidade com o MBL, fiz vídeos em apoio ao Bolsonaro. Apoiei e ao longo do tempo fui vendo que não concordava com mais nada do que ele estava fazendo. Fez tudo o que prometeu que não iria fazer, inclusive agora com esses conchavos com o centrão", critica.

Segundo Cris, Bolsonaro é o único chefe de estado "que está tratando a covid-19 dessa forma". "Eu já estava revoltada há muito tempo, me sentindo traída, como milhões de brasileiros. O MBL já tem ações programadas para pedir o impeachment e aproveitei que estava com tudo isso entalado para me juntar e fazermos essa ação", explica.

No cercadinho mais cedo, Cris falou a Bolsonaro que o país tem 38 mil famílias de luto, disse ter votado nele mas se sentir traída. Irritado, Bolsonaro pediu que ela saísse e cobrasse o governador do seu estado.

Cris não saiu naquele momento e continuou falando, mesmo pressionada por outros eleitores presentes para se calar. "Está aí aquela figura falando abobrinha lá", disse Bolsonaro. Segundo ele, ela estava fazendo "demagogia" com as mortes. 

À Folha, Cris afirmou que foi muito hostilizada pelos apoiadores do presidente e que um homem tentou intimidá-la fisicamente mandando que ela se calasse. "Saí fugida, foram bem agressivos verbalmente. Se pudessem me pegar na esquina, pegariam".

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas