'Não nos iludimos que íamos chegar aqui e vencer', diz Carpegiani

e.c. vitória
04.11.2018, 19:25:17
Atualizado: 04.11.2018, 20:01:09
Vitória não vence há três rodadas da Série A (Geraldo Bubniak / Paraná Clube)

'Não nos iludimos que íamos chegar aqui e vencer', diz Carpegiani

Técnico admite que Vitória se retraiu demais ante o lanterna Paraná

O empate em 1x1 com o lanterna Paraná, neste domingo (4), foi o terceiro jogo consecutivo do Vitória sem triunfo na Série A. Entre os times que ainda brigam contra o rebaixamento, é o segundo maior jejum, atrás apenas do América-MG, há nove jogos sem vencer no campeonato.

O técnico do Vitória, Paulo Cézar Carpegiani, admite que o resultado ruim ficou à altura do que os times apresentaram. “Na circunstância que foi o jogo, de sair perdendo e termos que buscar e do que produzimos nos últimos minutos, foi um resultado justo. No primeiro tempo nenhuma das equipes criaram muito, houve dificuldade, marcação, chutão”, disse.

“Na etapa final as equipes fizeram gols. O Paraná fez o primeiro e nós tivemos que mexer por não aceitar aquele resultado (derrota). A partir daí criamos muitas oportunidades, não só para empatar, o que fizemos, como até mesmo ganhar”, completou.

Somar três pontos diante do Paraná era essencial para o Vitória. O rubro-negro tem 34 pontos e precisa de mais dez para alcançar a linha de corte do rebaixamento deste ano. Com mais três jogos em casa, terá obrigação de pontuar como visitante.

Carpegiani não concorda que enfrentar o lanterna fosse oportunidade de pontuar facilmente: “Eles apresentaram uma defesa bem postada, firme pelo alto. Estavam jogando em casa, com ambição de querer nos vencer”, justificou o comandante.

“Sabíamos que seria um jogo difícil. Nunca nos iludimos de que íamos chegar aqui e levar os três pontos facilmente. Mas concordo que a equipe se retraiu demais”, continuou.

“A gente teve a posse de bola, mas sem criatividade, agressividade. No segundo tempo, sim. Depois que tomamos o gol, tivemos a iniciativa e a felicidade de empatar. Acho que, naquele ritmo, se tivéssemos mais cinco minutos de jogo, teríamos a chance de vencer. O adversário já estava entregue”, concluiu o treinador.

Fé no que virá
Indagado sobre o momento que vive com o Vitória, brigando rodada a rodada contra o rebaixamento, Carpegiani admitiu perplexidade: “Estou aprendendo a conviver com isso. Já assumi outras equipes que chegaram ao penúltimo lugar. Com o Coritiba (2016) foi assim. Só que nós saímos e nunca mais voltamos. Aqui no Vitória nós saímos e agora voltamos”.

Ele confessou que reverter a situação será difícil: “A essa altura do campeonato os times estão tecnicamente preparadas. Consequentemente, as dificuldades são maiores. Mas nós temos que encontrar soluções com o que dispomos no elenco. É trabalhar e encontrar os resultados. Mas é um peso de 500 quilos sobre a cabeça e você tem que se manter de pé”.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas