'Não penso nesse tema', diz Ramírez sobre acusação de racismo

e.c. bahia
12.01.2021, 16:30:00
Atualizado: 12.01.2021, 18:12:27
Ramírez afirma que não esperava ser titular do Bahia tão rápido e afirma que elenco tem buscado melhorar para salvar clube da degola (Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia)

'Não penso nesse tema', diz Ramírez sobre acusação de racismo

Colombiano revelou surpresa por rápida adaptação ao Bahia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Dentre as contratações que o Bahia durante a pandemia do coronavírus, é possível dizer que o colombiano Índio Ramírez foi, até aqui, quem mais deu resultado ao Esquadrão. Em pouco tempo, o meia ganhou a titularidade do tricolor e se tornou uma das referências técnicas da equipe. Até a partida contra o Atlético-GO, foram sete jogos pelo Esquadrão e dois gols marcados. 

Durante a entrevista concedida na Cidade Tricolor, Ramírez foi questionado sobre como reagiu após acusação de injúria racial feita pelo volante Gerson durante a partida contra o Flamengo. O meia explicou que não tem pensado nisso e que o seu foco está em ajudar o Bahia. 

“Não penso mais desse tema. Estou bem tranquilo e quero jogar como antes. Vim ao Brasil para jogar futebol e ser reconhecido pelo que eu faço dentro de campo, não pelo que se fala por aí”, resumiu o meio-campista.

Ramírez chegou a ser afastado dos treinos pela diretoria, mas foi reintegrado na mesma semana da acusação. O caso segue sendo investigado pela polícia e pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). 

Concentrado nos jogos, ele não levou muito tempo para pegar uma vaga entre os 11 e admitiu surpresa com a situação. “Na verdade não esperava que seria titular tão rápido, cheguei e coloquei na cabeça que tinha que fazer as coisas bem para ajudar a equipe, para conseguir coisas boas. Graças a Deus as coisas saíram e agora é seguir ajudando o clube e subir na tabela”, disse Ramírez.

Subir na tabela, aliás, é uma coisa que o Bahia precisa fazer com urgência. O tricolor é o atual 17º colocado do Brasileirão, dentro da zona de rebaixamento, e a três pontos do Fortaleza, primeiro fora do Z4. Além disso, o Esquadrão acumula sequência de oito partidas sem vencer. Por isso, depende de uma reação se quiser se manter na Série A.

Na análise de Ramírez, o time tem apresentado bons momentos durante os jogos, mas em algumas ocasiões a sorte não tem acompanhado a equipe.

“Estamos fazendo muitas coisas boas durante as partidas, bons momentos, mas acho que falta um pouco de sorte também para que a bola entre. Temos criado opções para chegar ao gol adversário, seja por dentro, pelo meio, temos bons momentos. Temos que seguir acreditando no que estamos trabalhando, nas ideias do professor e esperar que na próxima partida se inicie a sequência de triunfos”.

“Precisamos melhorar muitas coisas. Vamos ter uma semana inteira para preparar para o jogo do Athletico-PR, esperamos corrigir os detalhes das partidas contra Grêmio e Atlético-GO, olhar os erros, corrigir durante a semana, trabalhar forte para chegar bem ao jogo contra o Athletico-PR e conseguir um bom triunfo”, continuou o colombiano.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas