Nas ruas e nas janelas: o povo e a festa do Dois de Julho de 1979

clarissa pacheco
05.07.2020, 05:00:00

Nas ruas e nas janelas: o povo e a festa do Dois de Julho de 1979

Caboclos seguiram à frente do desfile num Pelourinho diferente de hoje

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Em uma série de lives no Instagram do CORREIO ao longo da última semana, pesquisadores falaram sobre o desfile do Dois de Julho e a festa que, ela primeira vez em 196 anos, não aconteceu com desfile pelas ruas. Para o jornalista, publicitário e escritor Nelson Cadena, que é colunista do CORREIO, o cortejo começou como qualquer outro desfile cívico - as pessoas só assistiam, das portas ou janelas, a passagem do cortejo. Só quase uma década depois é que o povo passou a participar da festa.

Para o professor e historiador Rafael Dantas, que pesquisa Cultura Material e Iconografia, importa dizer que o povo, com o tempo, tomou conta e passou a ter o protagonismo do Dois de Julho, como tem atualmente. É justamente o que mostra este registro do Dois de Julho de 1979, o primeiro acompanhado pelo CORREIO, fundado naquele ano.

O trecho entre a Ladeira do Carmo e o Largo do Pelourinho mostra as ruas do Centro tomadas de povo, enquanto passam os desfiles das escolas, com o carro dos caboclos logo à frente. Foi em 1828 que eles passaram a fazer parte do desfile - durante a República Velha, houve uma tentativa de substituí-los pelo Senhor do Bonfim.

Dois de Julho de 1979, trecho entre a Ladeira do Carmo e o Largo do Pelourinho
(Foto: Carlos Catela/Arquivo CORREIO)

Em 1979, quando essa foto foi feita pelo fotógrafo Carlos Catela, o Centro Histórico ainda não era tombado pela Unesco - o que só aconteceu cinco anos depois, em 1984.

"Os casarões ainda arruinados, as fachadas com as tintas e os rebocos caindo, bem desbotadas. No canto esquerdo, a gente tem dois ou três casarões escorados com andaimes. A atual Casa do Benin, que fica nesse casarão do lado direito, está com as portas fechadas com blocos. Provavelmente fecharam para evitar que alguém ocupasse o imóvel. O telhado do prédio também tá caindo da parte superior, as janelas destruídas", analisa Rafael.

Chama a atenção, ainda, pessoas nas janelas dos casarões do lado esquerdo, possivelmente ainda moradores. E.claro, o contraste entre o degradado, mais antigo, e as cores que certamente marcaram presença no desfile daquele ano. Olhando bem, ainda tem uma revoada de pombos no canto superior direito, próximo à Igreja do Paço.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas