Nikola Badger, Rivian R1T e Tesla Cybertruck: conheça as picapes elétricas

autos & etc
13.06.2020, 05:00:00
Atualizado: 13.06.2020, 07:56:44

Nikola Badger, Rivian R1T e Tesla Cybertruck: conheça as picapes elétricas


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O tradicional mercado de picapes vai ganhar nos próximos anos três novidades inéditas e movidas a eletricidade: Nikola Badger, Rivian R1T e Tesla Cybertruck. A Tesla é a marca mais famosa delas, mas que ainda assim não tem experiência com utilitários. A Nikola tem um acordo comercial com a CNH industrial, proprietária da Iveco, e já trabalham juntas para a produção de um caminhão na Europa, o Tre. Já a Rivian começou como uma start up e conta agora com aportes da Amazon e Ford.

Depois de desenvolver um caminhão, a Nikola investiu em uma picape
Depois de desenvolver um caminhão, a Nikola investiu em uma picape (Foto: Nikola)
Uma central multimídia em formato de tablet se destaca na Badger
Uma central multimídia em formato de tablet se destaca na Badger (Foto: Nikola)
A Rivian atraiu investimentos de empresas como Amazon e Ford
A Rivian atraiu investimentos de empresas como Amazon e Ford (Foto: Rivian)
Um detalhe do interior da picape elétrica RT1
Um detalhe do interior da picape elétrica RT1 (Foto: Rivian)
A Cybertruck, da Tesla, surgiu em dezembro do ano passado
A Cybertruck, da Tesla, surgiu em dezembro do ano passado (Foto: Tesla)
O interior segue as linhas adotadas em outros modelos da marca
O interior segue as linhas adotadas em outros modelos da marca (Foto: Tesla)

NIKOLA BADGER
“A Nikola possui bilhões de dólares em tecnologia em nosso programa de caminhões, então por que não transformá-lo em uma picape?”, disse Trevor Milton, CEO da Nikola Corporation, ao anuncia a Badger. Com um visual bastante agressivo, o veículo terá um sistema de propulsão elétrica que pode ter uma versão a bateria ou equipada com células de hidrogênio. A picape tem potência máxima de 919 cv e contínua de 461 cv, já o torque máximo é de 135,5 kgfm. A tração é independente em cada roda e a arrancada de 0 a 96 km/h é feita em apenas 2,9 segundos. A autonomia estimada é de 965 km.

A picape tem 5,90 metros de comprimento, 60 centímetros a mais que uma Toyota Hilux
(Foto: Nikola)

RIVIAN R1T
Em sua versão mais completa, o veículo pesa 2.670 kg e usa quatro motores elétricos que rendem 700 cv de potência. A energia vem de baterias com capacidade de 180 kWh, oferecendo cerca de 640 km de autonomia. Mesmo com todo este peso, a picape acelera de 0 a 100 km/h em 3 segundos e tem velocidade máxima de 200 km/h. A R1T tem previsão de lançamento para o final deste ano, poucos meses antes de um SUV chamado R1S. A produção destes modelos será em Illinois, norte dos EUA, em uma fábrica que a empresa comprou da Mitsubishi em 2017.

Com 5,51 m, a RT1 terá preço inicial de U$ 69 mil, o equivalente a R$ 347 mil
(Foto: Rivian)

TESLA CYBERTRUCK
O modelo com o visual mais polêmico virá em três versões, de acordo com a autonomia: 250 milhas, 300 milhas e 500 milhas. Ela custará entre US$ 39.900 e US$ 69.900, o equivalente a R$ 168 mil e R$ 295 mil, respectivamente. Haverá opção de tração traseira e integral e, de acordo com a versão, poderá ter um, dois ou três motores elétricos. No entanto, a empresa não declarou a potência dos propulsores. A picape só chegará no ano que vem, mas por US$ 100 é possível reservar uma.

O utilitário da Tesla foi mostrado em dezembro e se destaca pelo estilo exótico
(Foto: Tesla)


UM MILHÃO
A Caoa atua em diversos ramos, com destaque para revenda, importação e fabricação de veículos. Uma das maiores parceiras da empresa brasileira é a corena Hyundai, que chegou essa semana à marca de um milhão de veículos vendidos em suas lojas no Brasil.

O acordo entre elas foi fechado em 1999 e, atualmente, a CAOA é a maior distribuidora Hyundai do Brasil e a única a comercializar no mercado nacional a linha completa de modelos da marca, contemplando desde a família HB20 até os importados Azera, ix35, Santa Fe e Tucson.

Desde 1999, a Caoa já comercializou 1 milhão de veículos da Hyundai no Brasil
(Foto: Caoa)

DOUTOR CAOA
O nome CAOA é formado pelas iniciais de Carlos Alberto Oliveira Andrade, um médico que desde 1979 já era concessionário Ford, com sua primeira loja em Campina Grande, Paraíba. Com a Hyundai, a parceria aumentou em 2007. Na época, com investimentos de mais de R$ 1 bilhão, foi inaugurada a fábrica de Anápolis, em Goiás, para produção de modelos como Tucson e HR. Mais tarde passaram a sair das linhas de montagem o iX35, o Tucson e o HD78.

O médico paraibano Carlos Alberto de Oliveira Andrade, fundador da Caoa (Foto: Caoa)

OUTRAS MARCAS 
Além de veículos Hyundai, a CAOA produz e comercializa modelos da chinesa Chery, é importadora da japonesa Subaru e distribuidora de veículos da americana Ford.

A japonesa Subaru é uma das marcas que a Caoa comercializa no mercado brasileiro (Foto: Subaru)

VERSÃO AVENTUREIRA
A Mitsubishi lançou uma versão especial para a L200, a MotorSports. O nome dessa versão é alusiva ao rali de regularidade que a empresa promove há 26 anos no país. Por fora, o acabamento em preto fosco predomina e está presente em vários detalhes. As rodas de aro 17 também foram pintadas de preto e estão envolvidas pelos pneus Pirelli de uso misto.

O motor é o mesmo das demais versões: 2.4 litros turbodiesel que entrega 190 cv de potência e 43,9 kgfm de torque. A transmissão é automática e a tração é 4x4. Custa R$ 179.990 e, pelo estilo, concorre principalmente com Ford Ranger Storm (R$ 161.690) e Nissan Frontier Attack (R$ 169.890).

A Mitsubishi lançou uma edição especial para a picape L200 Triton Sport, a MotorSports (Foto: Mitsubishi)

HÁBITOS
Em uma pesquisa da Continental Pneus, 43% dos motoristas informaram que continuaram dirigindo durante a pandemia. Outros 35% destacaram sentir saudades de estar atrás do volante e 21% informaram não sentir falta. Entre os que seguem dirigindo, 92% alegaram motivos pessoais e profissionais para guiar.

Pesquisa da Continental Pneus aponta que 43% dos motoristas continuaram rodando na pandemia (Foto: Continental)


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas