O Arroz

artigo
15.09.2020, 05:33:00
Atualizado: 15.09.2020, 08:44:20

O Arroz


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O governo federal e a grande mídia culpam a explosão do consumo - que para eles fervilha em razão do auxílio emergencial de R$ 600 - para explicar o aumento exorbitante do preço do arroz.

O arroz é o que se conhece como um Bem de Giffen, que são produtos em que (de forma anormal) quando seus preços sobem o seu consumo também se eleva (normalmente seria ao contrário), pois o consumo sobe justamente por ele ser um bem de primeira necessidade em que as pessoas aumentam as suas compras para tentar fazer estoques domésticos.

Mas a questão é por que os preços subiram? 

A partir do governo Temer, o governo federal vem relaxando com as políticas de segurança alimentar e manutenção de estoques reguladores de produtos agrícolas, talvez pelo fato destas políticas serem de cunho antiliberal. 

Em 2019, o governo Bolsonaro extinguiu o CONSEA que atuava em políticas de combate à fome. Ao mesmo tempo, as políticas de manutenção de estoques reguladores foram deixadas de lado.  

Segundo a CONAB, verificamos que o volume de estoques reguladores públicos de arroz vem desabando ano a ano. Vejam os números, 2012 = 1.366.087 de toneladas estocadas (ton); 2015 = 196.000 ton e 2020 = 21.592 ton.  Resumo: de 2012 até 2020 o estoque público regulador de arroz caiu em 98,44%.

Em paralelo temos também a desvalorização do real. A desvalorização estimula as exportações e faz com que o agribusiness olhe para o mercado externo em detrimento do interno, reduzindo a oferta interna, mas ao mesmo tempo encarece todas as importações. Ah sim, a desvalorização também impede que empregadas domésticas visitem a Disney, é claro.

Para piorar, o preço do arroz no mercado internacional disparou desde o início da pandemia, pois alguns países exportadores de grãos limitaram suas exportações a partir do início da covid-19 para proteger suas populações, foram os casos da Rússia, Cazaquistão, Filipinas e Vietnã entre outros. 

Devido a isso, a China aumentou o preço de aquisição de arroz para poder garantir suas compras e proteger e alimentar sua população (para quem o arroz é a base alimentar).


Juntemos então:

1) Nenhuma política federal de abastecimento e, portanto, redução drástica de estoques reguladores públicos;

2) Desvalorização do dólar que estimula as exportações de arroz e reduz a oferta interna,

3) Aumento dos preços internacionais do arroz devido à pandemia da covid-19.

O preço sobe por razões externas, independentes da vontade do Brasil ou do seu governo. Mas a subida de preços recebe um empurrãozinho nosso, para cima (devido ao câmbio desvalorizado e à falta de estoques reguladores e políticas de segurança alimentar). 

Com tudo isso dizer que a elevação dos preços nos supermercados brasileiros é fruto do aumento do consumo dos nossos pobres em decorrência do auxílio emergencial chega ao ponto de ser uma piada. 


Luiz Marques de Andrade Filho é  economista, mestre em Administração, consultor financeiro e professor da Faculdade Baiana de Direito

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas