O Bahia deve uma despedida em alto nível a sua torcida

herbem gramacho
05.12.2019, 10:42:02
Atualizado: 05.12.2019, 10:45:21

O Bahia deve uma despedida em alto nível a sua torcida


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Bahia fará nesta quinta-feira (5), contra o Vasco, seu 70º jogo em uma temporada que teve de tudo: time reserva no início do Campeonato Baiano, bola que não entrou na Copa Sul-Americana, decepção na primeira fase da Copa do Nordeste, mata-mata empolgante na Copa do Brasil, euforia pelo alto nível apresentado no primeiro turno do Campeonato Brasileiro e raiva pelos erros cometidos no segundo.

Após passar por tantas emoções, o Esquadrão chega hoje à última partida na Fonte Nova num ano em que, entre o choro e o sorriso, o torcedor abraçou o clube. Tratou Fernandão como ídolo e vetor de empolgação para uma associação em massa que culminaria no recorde de 44 mil sócios - embora depois não tenha sido correspondido pelo atacante em campo; criou música afetuosa para Nino Paraíba, com quem antes não tinha paciência; vibrou com os gols de Gilberto nos 3x0 sobre o Flamengo, que a partir dali virou o supertime que não perdeu mais de ninguém. 

Na reta final, a paciência foi embora e as vaias ecoaram, não sem motivo: o time frustrou a enorme expectativa que criou em sua gente quando mostrou que brigar pela classificação à Copa Libertadores é possível. Como diz o ditado: quanto maior a altura, maior a queda. 

Pela evolução do campeonato, a impressão que o elenco deixa no momento é de desperdício. De que entraria em campo hoje para carimbar a vaga na Libertadores se não tivesse perdido aquele jogo contra o Ceará, ou para o Internacional, ou se tivesse vencido a Chapecoense, ou o Cruzeiro quando tinha um a mais em campo. Se, se, se... A vaga se ofereceu ao Bahia, e por isso o “se” dói.

Ainda assim, o saldo do clube no Brasileirão é bom. A realidade é que a trajetória (não a colocação) foi acima da expectativa que havia em abril, quando a Série A começou. O tricolor planejava terminar no meio da tabela, porém não estava nos planos iniciais ficar sempre tão perto da zona de classificação à Libertadores.

Já na análise do ano inteiro, o rendimento é mediano. Além do Brasileirão, destaca-se a campanha na Copa do Brasil, em que foi eliminado nas quartas de final para o Grêmio. Porém, a saída da Copa do Nordeste e da Sul-Americana na primeira fase joga a média para baixo. No Baiano, acabou campeão.

Seja qual for a posição final do tricolor na Série A, hoje é a última oportunidade para o time fazer o torcedor relembrar os bons momentos da temporada e arrancar aplausos no apito final. Seria o desfecho ideal para uma relação tão intensa e que nutriu tanta esperança ao longo de 2019.

E apesar do clima de despedida, ainda faltam dois jogos no ano. Depois do Vasco em casa, tem o Fortaleza fora, domingo. A ver no que vai dar. 

Herbem Gramacho é editor de Esporte. Escreve às quintas-feiras.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas