O dom de vencer dos gregos e o trabalho cristão

paulo leandro
12.02.2020, 05:00:00

O dom de vencer dos gregos e o trabalho cristão


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


A dignidade moral do trabalho sucedeu a ética grega quando o cristianismo aliou-se a Roma e precisou fazer uma mudançazinha de paradigma nas crenças a fim de fixar seu poder, ainda hoje, prevalecente, visando o vil metal para ajudar bispos tão pobrezinhos.

Qual a ideia-xeque, depois cheque? Quando Constantino alia-se aos cristãos no século III e derrota Licínio, os ideólogos passam a tomar por dogma o valor do trabalho como superior ao talento, puro e simples, da tradição grega.

Até então, o encaixe perfeito com o ‘kosmo’ (grande ordem) era sinal de harmonia e bênção. Agradava-se aos deuses, quando nosso dom de nascença cabia bem no universo, tipo uma peça de playmobil. Encontrou seu dom, pronto: tava feito na vida.

Verifica-se o perigo de insistir nesta crença, 28 séculos depois, quando a Imprensa e a torcida acreditam na eudaimonia (felicidade) por seu clube ter nascido para vencer e, portanto, seu ethos (jeito de ser ou perfil) já vir destinado online às alegrias e prazeres.

Sofremos, então, de uma mania de Grécia Arcaica, quando temos certeza de nosso encaixe com o kosmo, mesmo sendo derrotados pelo Sampaio Corrêa do Maranhão, duas vezes, uma delas perdendo o título da Copa do Nordeste dentro de Salvador.

A certeza de estarmos em paz com Zeus e os olimpianos pode ser negada pelo ‘real’, se somos eliminados na Copa Sul-americana pelo Liverpool, não os Reds campeões do mundo, mas os esforçados uruguaios.

A eudaimonia pode nos escapar, inexplicavelmente, se caímos diante do River – não o da Argentina, mas o de Teresina. E se perdemos para um timeco de segunda, sem nenhum torcedor deles presente à praça esportiva, após longa escrita de 12 Ba-Vis?

Aí, entra o exemplo cristão da dignidade moral do trabalho. Vejam como nasceram os gols, ambos de bola parada. Carleto, para disparar aquela ogiva, não espera que Ares, o deus da guerra, o tenha abençoado com o dom da perna rija. Carleto trabalha muito!

Foi ele quem bateu o córner para Vico furar o bloqueio greco-tricolor e desviar de cabeça, diante dos ciclopes paradões. E ficou a lição de mais trabalho para superar-se: quando receber livre, é preciso proteger a bola, e desviar do goleiro, ao invadir a área.

Enquanto os gregos têm certeza das vitórias, pois as constelações os consagram ‘filhos das divindades’, os cristãos de Canabrava trabalham, trabalham e trabalham, pois conhecem seus limites e precisam superá-los, segundo o profeta. (Carneiro, 88: 20)

Basta lembrar da saga da construção de sua igreja, onde antes só haviam pecado e lixo. Já os gregos não precisam trabalhar, se ganham do governo (leia-se imposto do cidadão) o uso de Pituaçu e depois tomam posse da arena, onde erigem loja e museu.

Quem acredita ter nascido com a finalidade (o ‘telos’) de ser campeão dos campeões, pode repousar de boa, pois os títulos estão escritos nas estrelas e virão naturalmente, basta entrar em campo, depois de a torcida ir buscar o time no ônibus, ainda na rua.

Já a humildade – diferentemente da modéstia – de quem precisa dar duro a fim de superar-se continuamente pode ser a chave para trocar a cruz pelas taças e novas vitórias sobre aqueles que cometem o pecado de hybris – a desmesura.

Paulo Leandro é jornalista e professor Doutor em Cultura e Sociedade.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/patroa-ajudou-crianca-que-caiu-de-predio-a-entrar-no-elevador/
Miguel, de 5 anos, morreu; petição que pede justiça tem mais de 77 mil assinaturas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/morre-aos-85-anos-atriz-maria-alice-vergueiro-do-meme-tapa-na-pantera/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/manifestantes-ateiam-fogo-em-onibus-na-paralela-veja-video/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/rodamos-na-nova-versao-da-ranger-a-storm/
Em vídeo, jornalista automotivo analisa a cabine dupla diesel
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/idoso-de-81-anos-e-o-100o-paciente-com-covid-19-a-ter-alta-no-hospital-portugues/
Unidade comemorou liberação do homem, que deu entrada há seis dias com 50% do pulmão comprometido
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/depois-de-um-susto-targino-se-prepara-para-cantar/
Músico sofreu grave acidente de carro, mas escapou ileso e agora se prepara para fazer lives
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/sao-joao-sera-comemorado-com-maratona-de-lives-promovidas-pelo-correio/
Serão seis apresentações de bandas e cantores durante o projeto, que arrecadará doações
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/junho-chegou-correio-promove-lives-para-comemorar-o-sao-joao/
Apresentações acontecem sempre às sextas e sábados de junho, às 19h
Ler Mais