'O gol que tomamos não é gol de tomar', diz Mano Menezes após derrota

e.c. bahia
26.09.2020, 22:02:00
Atualizado: 26.09.2020, 22:19:52
Juninho Capixaba em lance com Léo Cittadini, do Athletico-PR (Bruno Queiroz/EC Bahia)

'O gol que tomamos não é gol de tomar', diz Mano Menezes após derrota

Bahia levou cinco gols e perdeu os três jogos sob comando do treinador

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Contratado pelo Bahia no dia 9 de setembro, Mano Menezes apontou, ainda em sua primeira entrevista, a necessidade de evoluir defensivamente como crucial para o time sair da crise. Neste sábado (26), a derrota para o Athletico Paranaense por 1x0 na Arena da Baixada, em Curitiba, marcou a terceira do treinador nas três partidas à frente do Esquadrão.

Foram cinco gols sofridos no período. Perdeu do Atlético Goianiense pelo mesmo placar e do Corinthians por 3x2. Na derrota deste sábado, o lance do gol adversário surgiu de uma falha individual do zagueiro Juninho, que não acompanhou Christian e deixou o meia do Athletico receber livre, em suas costas, e fazer o gol de cabeça.

Trata-se de uma rotina que só não acompanhou o Bahia na estreia, quando venceu o Coritiba por 1x0, no dia 12 de agosto. Depois, em todos os dez jogos seguintes o time foi vazado pelo menos uma vez. Não à toa, tem a pior defesa do Brasileirão, com 19 gols sofridos em 11 partidas, média de 1,72 por confronto.

Na entrevista após a partida na Arena da Baixada, Mano avaliou a evolução do time ao longo das três semanas de trabalho que tem no clube. Analisou que houve melhora, mas também salientou que o gol sofrido contra o Athletico-PR “não é gol de tomar”.

“A equipe vem evoluindo notoriamente nos fundamentos de um modo geral do jogo. Ela pega a bola lá atrás, sabe como quer construir, temos uma saída de bola que permite uma construção de jogada com qualidade. Tem se defendido melhor porque nós estamos buscando essa consistência, embora penso que o gol que tomamos não é gol de tomar. Mas hoje enfrentou uma equipe com um poder de criação alto”, pontuou Mano.

“Melhoramos. Ainda não melhoramos o suficiente porque estamos pecando em momentos cruciais. O gol que tomamos, depois tivemos a penalidade máxima, que é um momento importante para você empatar e depois até buscar uma virada...”, enumerou o treinador.

O goleiro Douglas seguiu uma linha de raciocínio parecida e focou que o Bahia precisa voltar a vencer, afinal está em 19º lugar entre os 20 participantes do Brasileirão. “Acredito que a gente está mais consistente defensivamente, tem evoluído em muitos aspectos, mas evidente que a gente está muito insatisfeito. A gente contabiliza uma derrota, triste por isso. (...) Precisamos urgentemente de resultado, e esse grupo tem buscado isso”, disse o camisa 1.

O próximo jogo é novamente fora de casa, contra o Botafogo, quarta-feira (30), às 21h30, no Rio de Janeiro. A partida no Engenhão é atrasada da 1ª rodada. Os atacantes Gilberto e Élber deixaram o campo machucado em Curitiba e são dúvidas.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas