'O golpe tá aí': mulher é presa pela segunda vez após extorquir 100 'crushes'

brasil
12.03.2021, 09:30:34
(Foto: Reprodução)

'O golpe tá aí': mulher é presa pela segunda vez após extorquir 100 'crushes'

Vítimas chegavam a transferir R$ 50 mil para 'Loba do Tinder'

"Loba do Tinder". Esse era o apelido de uma mulher de 31 anos, presa nesta quarta-feira (10), acusada de dar golpes em mais de 100 "crushes" que conhecia pela internet. Ela foi detida em Campinas, interior de São Paulo, mas as vítimas eram de todo o Brasil.

Patricia Coutinho Pereira exibia fotos sensuais para atrair os interessados. Antes de dar o golpe, ela investigava a vida da vítima, fossem homens ou mulheres. Quando a pessoa já estava fisgada,  ela produzia fotos e vídeos que provavam o envolvimento, e depois pedia dinheiro para não expor o relacionamento nas redes sociais. As informações são da Record TV.

Patrícia é procurada no Distrito Federal, e investigada desde 2017 pelos crimes de estelionato, difamação e extorsão, por usar o aplicativo de relacionamento para aplicar golpes.

Patricia já havia sido presa em 2018 no distrito federal depois de cometer os mesmos crimes. Na época, chegou a ficar seis meses na prisão, mas ganhou direito de cumprir a pena no regime semiaberto.

Em de comparecer à Justiça durante a pena, simplesmente fugiu, deixando a capital federal. Desde entao, passou a viajar pelo Brasil e aplicar os mesmos golpes em vários estados.

Um homem que a denunciou para polícia disse que Patricia fazia ameaças de tornar público o relacionamento extra-conjugal, divulgando um vídeo de uma relação sexual. Com medo da atitude da mulher, a vítima disse ter transferido para a criminosa cerca de R$ 50 mil.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas