O que é ser trans? Entenda mais sobre a questão que vai muito além de ter pênis ou vagina

educação
13.09.2015, 09:54:00

O que é ser trans? Entenda mais sobre a questão que vai muito além de ter pênis ou vagina

Entenda mais dos conceitos de gênero e orientação sexual, que vão além de alguém ser registrado como mulher ou homem

Sabe aquilo que a gente aprende nos livros de biologia, de que se alguém nasce com pênis é homem ou se tem vagina é mulher? Não é bem assim. É o que garante a representante da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social do Governo da Bahia, Paulett Furacão.

“No meu caso, que é o de uma mulher trans, digo que nasci num corpo biologicamente masculino, mas, espiritualmente, tenho alma feminina. Não se trata apenas de corpo ou jeito. É mais interno, profundo. É algo que me define como pessoa”, diz Paulett, que é a primeira trans a trabalhar no governo do estado. 

No caso dos homens trans, quem explica é Leonardo Peçanha: “É alguém que, ao nascer, foi registrado e designado a viver de maneira diferente daquela com a qual se identifica. Por isso, acaba sendo socializado no feminino e vivendo parte da vida sendo lido de uma maneira com a qual não se enxerga”.

Ele é coordenador nacional de pesquisas do Instituto Brasileiro de Transmasculinidade (Ibrat) e diretor do coletivo TransRevolução. Miguel Marques, criador da página Homens Transgêneros, no Facebook, vai num ponto mais simples. “É um homem como qualquer outro. Só não nasceu biologicamente com o sexo masculino e precisou passar por uma readequação”, pontua o rapaz.

A TRANSIÇÃO
“Cada pessoa sabe de si e do que precisa para se sentir bem. O processo pode incluir ou não tomar hormônio, fazer ou não cirurgias... A questão é muito maior e mais complexa do que isso”, afirma Miguel.

Para Leonardo, o processo que pode culminar com a cirurgia costuma esbarrar no preconceito médico. “Isso varia muito de acordo com a idade, local onde vive e situação financeira da pessoa. Tudo começa no acompanhamento psicológico e e psiquiátrico para obter o tratamento hormonal e depois as cirurgias. É muito difícil porque os médicos têm resistência a nos atender”, diz o pesquisador.

CIS
“Outra noção-chave para continuar a entender esse universo é a de cisgênero. “Cis é uma pessoa que foi designada da maneira com a qual se identifica e sente”, esclarece Leonardo. Por exemplo: um homem que foi registrado assim e está feliz desse jeito.

O conceito é importante para esclarecer outro fato. Assim como as pessoas cis, as trans podem ser hétero, gays, bissexuais, assexuais ou quantas possibilidades a sexualidade humana comportar.

“Por exemplo, um homem trans pode ser gay e se relacionar com um outro homem, seja ele cis ou trans. E nada disso interfere no fato dele ser homem”, exemplifica o pesquisador. Não entendeu? A gente desenhou no infográfico “Pra Começar”. 

Mas se ser gay, lésbica ou bissexual é orientação sexual e ser homem ou mulher (cis ou trans) está no campo do gênero, por que os trans fazem parte da sigla da Parada LGBT, que acontece neste domingo (13), no Campo Grande?

“Somos grupos de pessoas vulneráveis e estigmatizadas socialmente. Claro que cada um tem especificidades. Mas todos sofrem por transgredir imposições do machismo e do sexismo e por não querer pertencer aos rótulos tradicionais”, explica Paulett. A opinião não é consenso no movimento trans.

NA INTERNET

O paulista Miguel Marques, 23, e o baiano Victor Summers, 20, são estudantes. Ambos são homens trans, sendo que o primeiro é hetero e o segundo é gay. Há pouco mais de 2 meses, criaram no Youtube o canal Transviados

A ideia é responder, da maneira mais simples possível, até aquelas questões de deixar em pé os cabelos das mais beatas. Tipo “Como homens trans fazem sexo?”, título do vídeo mais assistido até então, com quase metade dos acessos do canal. Com apenas oito postagens, eles somam mais de 56 mil visualizações. Conheça um pouco mais dos meninos. 

Os estudantes Victor Summers (esquerda) e Miguel Marques (direita), criadores do canal Transviados: mais de 56 mil acessos
(Foto: Angeluci Figueiredo)

Como nasceu o canal?

Miguel: Eu já tinha a página Homens Transgêneros, no Facebok. Com Victor, criei o canal para amplificar ainda mais essas questões e tentar atingir e ajudar mais gente.   

A que atribuem o sucesso? 

Victor:  Acho que as pessoas não estão acostumadas a ouvir falar sobre o assunto e têm curiosidade. O homem trans sempre ficou meio oculto porque, com seis meses de tratamento hormonal, já não dá para diferenciar de um homem cis. O povo só descobre se o trans falar. E a gente tá dando a cara a tapa. Queremos sair da posição confortável e puxar a discussão sobre o assunto, que é importante.

A informalidade também facilita. Tentamos sempre fazer da maneira mais simples. Queremos que até uma pessoa cis que nunca ouviu falar de trans consiga entender. É pra essas pessoas que falamos. Notamos que pesquisadores e militantes usam termos muito inacessíveis e acabam só falando pra quem já conhece as questões. Precisamos fazer com que essas informações saiam do meio trans e cheguem ao mundo. Para que as pessoas que oprimem tenham empatia e parem de oprimir. 

O que de mais legal saiu disso?

V: Recebemos uma mensagem de um menino de 12 anos outro dia. Ele é do interior da Paraíba. Disse que acha que é trans, mas não entende direito o que acontece. Não tem como pesquisar muito, a família também não ajuda...

Saber que estamos chegando e ajudando um bocado de gente é o que mais me alegra. Outra coisa boa foram os contatos e amigos. Outro dia um amigo me perguntou se eu escolheria nascer cis, caso pudesse. Eu disse que não sei. Porque eu não teria conhecido as pessoas que conheço hoje.  Quase todos os meus contatos vêm do fato de seu ser trans e estar inserido no meio LGBT de Salvador.  

Como foi a transição de vocês?

M: Cada um tem suas particularidades. Ambos fizemos a mamoplastia masculinizadora (retirada dos seios) e recebemos, há cerca de três anos, tratamento com hormônio. Mas cada um tem seu tempo. Como meu metabolismo é mais rápido, eu tomo injeção a cada 12 dias. Já Victor é a cada 20 dias. 

Como a transfobia os atinge?

M: Tive que sair de casa para fazer a transição porque minha mãe é muito católica e intolerante. Eu sofria violência. Até hoje ela me ofende e violenta verbalmente por telefone. Estou sem estudar porque teve problemas com meu nome social na faculdade.

Não tava conseguindo usar e passei por situações terríveis. Fui à ouvidoria, à reitoria...  E disseram que o sistema não comportava. Por que não mudaram o sistema, então? Depois, o DCE abraçou a causa e a questão se resolveu. Mas já não estou disposto a voltar para lá depois de tudo que passei. Tive crise de pânico, fobia de pessoas...

V:  Na minha família foi menos dolorido, especialmente por parte de mãe. Eles e meus irmãos foram muito inclusivos. A exceção foi meu pai, que disse que que poderia me pagar uma lipoaspiração para resolver o problema que ele acreditava ser fruto de baixa autoestima. Minha avó paterna também fez um escândalo. Até hoje ela me chama no feminino. Ela liga cobrando convivência e eu sinto falta, mas me sinto muito desconfortável de visitá-la e ser tratado de um jeito que me faz sentir mal.

Conheça o canal 'Transviados', dos estudantes Victor Summers e Miguel Marques

A Travesti Reflexiva
A estudante sergipana de Psicologia Sofia Favero é um dos maiores expoentes da luta contra machismo, homofobia, lesbofobia e transfobia na internet. Há cerca de dois anos ela criou, no Facebook, a página Travesti Reflexiva, que hoje soma mais de 155 mil  curtidas. 

Com 22 anos, ela nasceu e mora em Aracaju. Ano passado, no mês de maio, virou estatística e manchete em veículos de comunicação por todo o Brasil. Quando estava num ônibus, indo para a faculdade, ela sofreu assédio sexual, chegou a ser ameaçada com uma faca e foi agredida por um homem.

NA TELEVISÃO

Caitlyn Jenner: O atleta americano Bruce Jenner era medalhista olímpico e participante de um dos reallity shows de maior sucesso nos Estados Unidos, Keeping Up With The Kardashians. A surpresa foi grande quando ele anunciou que, na verdade, era uma mulher. Passou pelo processo de transição e assumiu publicamente o gênero feminino, adotando o nome de Caitlyn. Na ocasião, foi capa da revista Vanity Fair.
Jamie Clayton: Há cerca de cinco anos, a loira estreou na série Hung, do canal fechado HBO, como Kyla. Depois, foi uma das protagonistas da web série Dirty Work, que venceu o Emmy. Este ano, estreou na série Sense8 (Netflix) como a hacker Nomi. Na trama, sua personagem é uma mulher transexual lésbica. Mês passado, Jamie foi vista aos beijos com o ator Keanu Reeves. 
Laverne Cox: Uma das estrelas da série Orange Is The New Black (Netflix), na qual vive a presidiária Sophia Burset, que é uma mulher transexual. Pelo papel, ela foi a primeira atriz trans indicada ao Emmy (o Oscar da televisão).  Deve estrear no cinema em breve, no filme Grandma, da diretora Lily Tomlin, distribuído pela Sony Pictures.


***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas