Os dois tipos de empresas

kiko kislansky
21.01.2020, 05:00:00

Os dois tipos de empresas


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Que tipo de empresa você está construindo?

Costumo dizer que há dois tipos de empresas. O primeiro grupo deixa o mundo melhor quando passa a existir. Já o segundo grupo, deixa o mundo melhor quando vai à falência.

Existem três elementos que contribuem diretamente para a criação das empresas do primeiro grupo: consciência, propósito e humanização. Algumas características vívidas neste modelo são: empatia, altruísmo, serviço, amor e pertencimento. Para estas empresas, servir o mundo faz parte do negócio. O lucro é visto apenas como uma consequência de um propósito muito bem vivido. O foco é na causa.

Nestes ambientes organizacionais, as pessoas são felizes, convivem em harmonia e acima de tudo, não enxergar o trabalho como “trabalho”. Os líderes destas organizações amadas e inspiradoras, enxergam as pessoas como fonte e não como recurso e constroem ambientes aonde a felicidade prevalece. Eu gosto de dizer que estas empresas têm alma e alcançam seu potencial máximo como organização, através de um sentimento de interdependência.

Como consequência, a felicidade se torna o maior diferencial competitivo destes negócios. E o que acontece em um ambiente onde pessoas estão felizes? Produtividade! Criatividade! Alta performance! E não é que ter esta consciência é um grande negócio também? Estas empresas têm resultados financeiros extraordinários como consequência.

Já no outro grupo, características geralmente muito presentes são: ganância, arrogância, egoísmo, individualismo. Nestes ambientes, o lucro é objetivo de máxima prioridade, e os olhos estão voltados mais para o “fazer para ter”, do que “ser para viver”. São empresas que se percebem como organismos independentes do sistema e não tem a menor consciência das suas ações.

São sistemas mecânicos, automatizados, robóticos.

O primeiro grupo de empresas, vivencia o senso de contribuição para a humanidade. Enquanto as segundas, vivenciam o senso de destruição da humanidade.

Vamos juntos construir empresas que fazem parte do primeiro grupo?

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas