Os mais jovens dão sinais de que algo não está bem

artigo
26.09.2020, 11:00:00
Atualizado: 26.09.2020, 17:23:27

Os mais jovens dão sinais de que algo não está bem


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Suicídio é tema complexo, que para ser avaliado propriamente em toda sua abrangência envolve conhecimentos em várias vertentes: social, econômica, filosófica, médica, cultural e religiosa. Certamente esqueci de citar alguma! É tema que faz parte do cotidiano dos profissionais de saúde, principalmente daqueles que cuidam da saúde mental.

O suicídio tem aparecido com uma frequência muito maior para quem cuida da saúde mental de crianças e, principalmente, de adolescentes. Uma busca por dados objetivos coloca o suicídio, no Brasil, como a terceira causa de morte entre pessoas de 15 a 29 anos. Aqui falamos sem considerar a subnotificação.

Leia também: Futuros apagados: mortes por autolesão cresceram 59% no interior baiano em 10 anos

Venho abordar também outros aspectos que fazem parte do tema: a ideação suicida e as lesões autoprovocadas. Essas sim muito mais comuns em jovens. Eles estão cada vez mais considerando o suicídio como solução para aplacar o sofrimento.

Diferente de uma parcela de adultos, que pode planejar e executar o suicídio sem deixar pistas, os mais jovens dão sinais de que algo não está bem. Vamos observar nossos jovens! Observemos o sono, o apetite, os interesses ou o desinteresse por atividades antes prazerosas. Vamos saber sobre os planos, sonhos,  receios, angústias. Saber  o que ocorre nas redes sociais que utilizam.

As lesões autoprovocadas, que costumam ficar escondidas debaixo de blusões e calças largas, podem se tornar tema bem-vindo ao debate nas escolas. Não menos importante é o papel da família. Dar apoio ao adolescente, buscar apoio, se necessário profissional, é o caminho a ser seguido. Vamos mostrar que nos importamos, que estamos perto e que não temos preconceito diante do sofrimento mental. Iniciativas óbvias, não? Não custa lembrar. Já seria um bom começo.

*É psiquiatra, professora da Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia (Ufba) e referência em psiquiatria infantil no estado.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas