Para 'bombar no Insta', músico grita que tem coronavírus em voo e acaba detido

em alta
05.02.2020, 18:20:49
Atualizado: 05.02.2020, 19:12:39

Para 'bombar no Insta', músico grita que tem coronavírus em voo e acaba detido

Ele foi indiciado por falsa informação de interesse público e violação da paz a bordo

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Foto: Reprodução

O músico James Potok tem o sonho de ficar famoso. Após não obter sucesso na missão da maneira mais tradicional, através de sua música, ele resolveu inovar no 'modo rumo ao estrelato'. Pegando carona no coronavírus, ele gritou no meio de um voo que estava infectado, crente de que isso o faria bombar no Instagram.

A estratégia publicitária foi realizada em um avião da WestJet que ia de Toronto (Canadá) a Kingston (Jamaica).

"Posso pedir a atenção de todos, por favor? Acabei de voltar da província de 'Hunan', a capital do coronavírus. Não estou me sentindo muito bem. Obrigado", alarmou James ao se levantar da sua poltrona.

A empolgação foi tanta que ele até se confundiu e não falou Wuhan, o verdadeiro epicentro da epidemia.

Imediatamente, o protocolo de segurança foi acionado.

"Por extrema precuação, nossa tripulação seguiu todos os protocolos para doenças infecciosas a bordo, incluindo o isolamento de um indivíduo que fez uma afirmação infundada em relação ao coronavírus", disse à agência France Presse Morgan Bell, porta-voz da empresa aérea.

Após alguma reflexão, o músico, que tem mais de 30 mil seguidores no Instagram, afirmou ao "City News", de Toronto, que talvez deveria ter tentado uma abordagem diferente.

"Teria mais efeito se eu dissesse 'Ei, pessoal, tenho uma bomba amarrada em mim, tenho uma arma'. As pessoas explodiram fora de proporção. Para mim, foi simplesmente uma piada", lamentou.

James afirmou ter ficado "chocado" por ninguém ter rido da "piada" e que, em 15 minutos, tripulantes apareceram usando máscaras e puseram uma máscara nele também. Ele foi detido após ser retirado da aeronave, interrogado e liberado. Ele foi indiciado por dar falsa informação de interesse público e violação da paz a bordo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas