Parcerias digitais para pequenos e médios negócios

empregos
22.11.2021, 06:00:00
Bancos digitais apresentam menos burocracia e custos para os pequenos e médios empreendimentos (Shutterstock/reprodução)

Parcerias digitais para pequenos e médios negócios

Bancos digitais crescem na pandemia e se mostram parceiros ideais para pequenos e médios empreendedores

Os bancos digitais chegaram para ficar e tiveram uma ascensão significativa desde o início da pandemia. Para os pequenos e médios empreendedores, essas instituições financeiras surgem como uma ferramenta importante de desburocratização de serviços e de economia. 

De acordo com o fundador e CEO da Academia iBest, que premiou o Banco do Brasil, Nubank e Mercado Pago como os três melhores bancos digitais do Brasil, além de eleger os Top3 pelo enfoque técnico, que são C6 Bank, Inter e Nubank, Marcos Wettreich, poucos mercados mudaram tanto no Brasil quanto o financeiro, com a chegada das fintechs e a reinvenção geral dos bancos digitais. “Estamos vendo a troca de guarda, onde novas mas já grandes empresas tomam o lugar dos bancos tradicionais no interesse do brasileiro” afirma Wettreich. 

A contadora Gisele Machioski salienta que uma das principais vantagens dos bancos digitais é a possibilidade de acompanhamento do saldo e extrato no banco, assim como  pagar contas, transferir dinheiro para outras agências sem pagar taxas, fazer depósito por meio de boleto bancário ou de cheques por imagem. 

A contadora salienta que nessas instituições o  saldo em conta fica rendendo a uma taxa bem próxima à da Selic, além da disponibilidade do cartão de débito para compras e saques em caixas 24, cartão de crédito sem anuidade, atrativa área de investimentos, como CDB, LCI e LCA, solicitações de empréstimos, recarga de celular e conta digital Pessoa jurídica e para MEI. "Esta é uma excelente alternativa para evitar custos com manutenção da conta, transferências, TEDs e DOCs, fugir da burocracia e das longas filas de espera dos bancos”.

Pequenos e médios

Líder de vendas SaaS em startups escaláveis e head de vendas da fintech iCertus Felipe Varejão afirma que a digitalização bancária era necessária para o  mercado como  um todo. “Nos pequenos e médios negócios, o impacto é ainda maior, pois  a participação dessas instituições possibilita que o empreendedor tome decisões em  poucos cliques pelo celular, com segurança e com um melhor  entendimento das reais necessidades do pequeno empresário”, diz. 

Felipe Varejão destaca o papel dos bancos digitais em credibilizar produtos como o pix, que fez aniversário esse ano, e que traz soluções rápidas e baratas (Foto: Divulgação)

Varejão destaca ainda que a evolução dos bancos digitais construiu toda a credibilidade para as ações digitais rápidas dos bancos, a exemplo do Pix e desburocratizou uma série de ações bancárias que só eram feitas de forma presencial, com muita papelada “Os clientes dos bancos sentiam como se pedissem favor às instituições financeiras, o que é ruim na relação cliente e banco”,reflete.

Na hora de escolher uma instituição financeira para firmar parceria, a sugestão do especialista é buscar compreender o que cada uma dessas instituições tem para oferecer, afinal, em termos de serviços e produtos há muita semelhança, uma vez que são regulados. “Decifre os produtos - cada instituição o comercializa de uma forma bem específica - e procure as letras miúdas: elas sempre fornecem informações muito importantes para sua tomada de decisão”, sugere.

A outra dica é comparar os serviços e produtos, optando pela instituição financeira que melhor atenda às necessidades do empreendedor. “A menor taxa pode ser a que leva mais tempo para liberar um serviço, com um tempo de resposta acima do que é aceitável para a sua necessidade. Enfim, compare-os e entenda qual o que melhor atende aos interesses do negócio”, ensina.

Melhores escolhas

Para Felipe, o parceiro capaz de oferecer a educação financeira que  falta é aquele que deve ser priorizado na tomada de decisão “Contratar quem te ensina é a melhor taxa de retorno possível de mercado”, reforça.
Gisele afirma que as desvantagens na escolha dos bancos digitais reside na dificuldade que alguns empreendedores ainda têm com a tecnologia. “A falta de familiaridade faz com que a maioria dos correntistas de bancos digitais sejam pessoas mais jovens, que estão acostumados com o meio online”, pontua. 

A ausência de suporte presencial é outro fator que causa insegurança. “É comum que os consumidores tenham medo da possível dificuldade para resolver problemas com a equipe do banco”, pontua. Para ela, na hora da escolha do parceiro financeiro, é preciso levar isso em consideração. 

Para quem teme por segurança, a contadora salienta que o  Banco Central é quem regula o mercado e monitora as atividades do setor financeiro e que todas as empresas que criam produtos para este setor, precisam seguir uma série de regras e normas específicas. “Mesmo as fintechs precisam seguir regras rígidas para oferecer seus produtos à população, se tudo isso estiver de acordo, então elas e os bancos digitais são seguros”, finaliza.


Top10

Confira os 10 maiores Bancos Digitais do universo digital brasileiro:

  • Agibank
  • Banco BMG
  • Banco do Brasil
  • Banco Original
  • C6 Bank
  • Inter
  • Mercado Pago 
  • Next
  • Nubank
  • PagSeguro Pagbank

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas