Paz, Bahia: premeditatio malorum!

paulo leandro
16.09.2020, 05:00:00

Paz, Bahia: premeditatio malorum!


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Dessem os amigos tricolores, ouvidos a Marco Aurélio, Sêneca e Epicteto – ataque titular dos pensadores estoicos – e talvez colocassem as barbas de molho, quem as deixou crescer neste período sem ir à tosquia, na pilha do #fiqueemcasa.

Deste team filosófico, pode ter nascido o conselho do pé-atrás, a cautela de quem não deseja ter o orifício rugoso subitamente perfurado, em indesejada posição de descenso, justamente na celebração do décimo ano de acesso sem precisar pular a janelinha.

Sim, o campeão dos campeões, como já cantara o aedo Chocolate da Bahia, desceu em 1997, no empate sem gols, em Salvador – na velha Fonte –, diante do Juventude de Caxias. Voltou o SuperMan por justificável convite na Copa João Havelange de 2000.

Depois de cair, levando 7 do Cruzeiro – quatro de pênalti, cobrados por Alex –, em 2003, atravessou o Marvel Comics o deserto do Saara, entre séries B e C (sete anos), até quebrar a escrita de 13 anos sem subir dentro de campo, para a cobiçada A em 2010.

É preciso escutar dos amigos do Esquadrão o melhor dos conselhos jamais oferecido, mesmo a quem não o pediu: premeditatio malorum! Deletar as melhores expectativas, no momento adverso, e comemorar, mesmo o pontinho fora, diante das circunstâncias.

Nesta quarta-feira (15), ao encarar o Corinthians, na terra onde o povo vota ao contrário, é tempo de premeditatio malorum: esperar pelo pior, o oitavo jogo seguido sem vencer, porque se der ruim, já estava mesmo no roteiro, e se vier uma surpresa, será aquela alegria!

Depois de conquistar o tri estadual, em chute bisonho e incomum do meia Magno Alves, na disputa de pênaltis contra o Alagoinhas, o Bahia perdeu duas seguidas para o Ceará Sporting do menino Cléber, em Salvador, terminando pentavice do Nordeste.

Nada mal foi a largada no Brasileiro, mas o motor começou a soluçar, a última vitória sobre o Bragantino já faz um mês, e o Bahia precisou dispensar o excelente treinador antirracista Roger Machado, da convergência do bem, substituído por Mano Menezes.

Vale lembrar também aquela aula do repetitio est mater studiorum – a repetição é a mãe do aprendizado. Trocar treinador, ameaçar dispensar jogador, calafetar a embarcação em meio à tempestade ou nevoeiro, podem ser iniciativas de mau augúrio.

Ao ouvir a voz que é teu alento, pode o tricolor formar crença no similis similis gaudet – o semelhante busca o semelhante – e fazer hoje com o Corinthians uma partida de titãs, iguais em garra, peso da camisa e capacidade de vencer.

Mutatis mutandis – muda-se conforme o contexto –, o Bahia precisa fazer o dever, fora de casa, para evitar as manchetes de mau-humor e exagerada cobrança, cujo efeito no ambiente da Cidade Tricolor é devastador. O porteiro da zona merece todo nosso abraço.

Mano ainda está a matutar a melhor forma de puxar o Bahia da areia movediça, em meio ao sofrimento de ter seu parceiro preparador físico passado por triste experiência do mal súbito. A dor abala afetivamente e precisamos ser solidários.

Incinerado pelo Dragão goiano, o Bahia nesta quarta pode jogar tranquilo, pois o Corinthians não terá seu artilheiro Jô. Basta entrar sabendo da possibilidade, mas não da certeza de derrota e, se vier o bom resultado, bem, caso contrário... premeditatio malorum!

Paulo Leandro é jornalista e professor Doutor em Cultura e Sociedade

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas