'Pior partida desde que estou aqui', analisa Geninho após empate

e.c. vitória
02.11.2019, 19:59:00
Atualizado: 02.11.2019, 21:07:39
Geninho lamentou o desempenho do Vitória diante do Figueirense (Letícia Martins / EC Vitória)

'Pior partida desde que estou aqui', analisa Geninho após empate

Treinador falou sobre os gols sofridos pelo Leão no empate com o Figueirense

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O empate por 2x2 com o Figueirense no Barradão, neste sábado (2), foi comemorado como um triunfo pelos jogadores do Vitória, mas o técnico Geninho analisou a atuação do Leão de forma bem contundente. Para o treinador, foi a pior exibição do rubro-negro sob o seu comando nesta Série B. 

"Acho que se a gente for analisar de uma maneira bem crua, nós que estamos acompanhando no dia a dia e nos jogos, acho que o Vitória hoje ganhou um ponto. Na minha opinião, fizemos talvez a pior partida desde que estou aqui. Muito abaixo do que estamos acostumados a jogar. Entrou até que bem, tentou pressionar, depois foi ficando nervoso. Time desmoronou emocionalmente com o empate e não jogou. Tentava fazer, mas fazia de maneira muito atabalhoada. A bola parecia que queimava. Fizemos um jogo bem abaixo", afirmou Geninho.

"Quando tem um nível de futebol assim, perdendo o jogo e consegue buscar o empate, tem até que comemorar. Acabou fazendo um ponto, segurando a distância; se o Figueirense vence, iria encostar. Estaria a um ponto. Analisei assim. Um jogo muito abaixo. Tivemos alguns problemas, a lesão do Wesley, nosso melhor jogador, Chiquinho também sentiu. Atrapalhou um pouco. Achei que o time jogou menos do que poderia jogar", continuou.

Geninho lamentou ainda a forma como o Vitória sofreu o primeiro gol do Figueirense. Segundo ele, os jogadores sabiam da força aérea da equipe catarinense e treinaram esse tipo de jogada.

"Tomei praticamente um gol de bola parada e outro de movimentação. Primeiro gol foi treinado para marcar. Mas infelizmente isso acontece muito. A gente não gosta, fica chateado, cobra bastante, mas isso acontece. No segundo, o que me chateou foi que a jogada começou quase em frente ao nosso banco. O jogador deu um corte e passou por três jogadores. Faz a falta ali, fecha a porta. Uma falta daquele lado vai me trazer muito pouco problema", explicou o treinador.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas