Polícia faz perícia em barranco que soterrou 5 crianças na Bahia

bahia
30.04.2022, 17:25:00
Comunidade onde ocorreu o acidente é de coreanos (Divulgação)

Polícia faz perícia em barranco que soterrou 5 crianças na Bahia

De acordo com a Polícia Civil, laudos vão revelar circunstâncias do acidente em Formosa do Rio Preto, Oeste da Bahia

O acidente que causou a morte de cinco meninos na cidade de Formosa do Rio Preto, no Oeste da Bahia, terá as circunstâncias apuradas através de perícia, de acordo com a Polícia Civil (PC). Equipes da Polícia Técnica (DPT) estiveram na cidade na manhã deste sábado (30) para coletar amostras que servirão de base para os laudos sobre o momento do acidente que matou por asfixia duas crianças de 11 anos, duas de sete e uma de seis.

As crianças - três delas nascidas na Coreia do Sul e duas nascidas no Brasil, todas elas filhas de coreanos - saíram por volta das 9h de sexta-feira (29) para brincar numa localidade conhecida como Vila dos Coreanos, na Fazenda Doalnara Oásis, que fica no povoado São Marcelo. Eles estavam brincando próximo a um local escavado para implantação de uma tubulação de água quando um barranco desmoronou. 

A prefeitura de Formosa do Rio Preto foi procurada para responder se a obra era regular e tinha sinalização devida para evitar acidentes. No entanto, não retornou até o fechamento desta matéria. Advogado especialista em Direito Público, Kleber Freitas explica que, mesmo em propriedade privada, a obra precisaria ter autorização de um órgão de fiscalização. 

Local onde as crianças foram soterradas estava sendo escavado para implantação de uma tubulação de água (Foto: Divulgação/Polícia Militar) 

"É preciso ter um alvará para que uma obra seja realizada, mesmo em propriedade privada. Neste alvará, tem que ter o planejamento do serviço do que vai ser feito, o acompanhamento de um responsável técnico, no caso um engenheiro, pela obra, e um local sinalizado e cercado, coisa que, pelas fotos, não existia", afirma o advogado. 

Duas ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) estiveram no local, mas as crianças já estavam mortas. Segundo Letícia Damasceno, coordenadora do Samu, um médico da fazenda já havia constatado as mortes quando as ambulâncias chegaram para o resgate. 

A coordenadora ainda dá detalhes sobre como as crianças foram encontradas. "Um médico da vila disse que elas já estavam em óbito. Depois de ver isso, eles chamaram o Samu para registrar as mortes. Não se sabe ao certo quanto tempo elas ficaram soterradas, mas foram encontradas às 12h30", afirma.

Em nota, a prefeitura da cidade lamentou o acidente. "Neste momento de dor e consternação, a Prefeitura de Formosa do Rio Preto, se solidariza aos familiares e amigos das vítimas rogando a Deus que dê força e amparo a todos", diz o texto.


***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas