Prejuízo real: Rainha Elizabeth já perdeu R$ 126 milhões por causa da pandemia

coronavírus
19.05.2020, 11:45:04
Atualizado: 19.05.2020, 11:48:42
(AFP)

Prejuízo real: Rainha Elizabeth já perdeu R$ 126 milhões por causa da pandemia

Sem turistas, realeza sofre com queda de faturamento

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Até a Rainha Elizabeth II está sofrendo com o coronavírus. Além de estar totalmente isolada por conta de sua idade avançada, os impactos da pandemia já começam a doer no bolso de vossa majestade.

A realeza britânica, que tem entre seus ganhos a renda das visitas aos seus castelos, perdeu cerca de R$ 126 milhões durante a pandemia com as medidas de lockdown e impedimento de circulação de turistas.

A má notícia veio em forma de e-mail do conselheiro responável pela administração real. O lorde Eark Peel, chefe da Casa Real, disse renda da realeza deverá cair até um terço este ano. Ele também contou aos funcionários que haverá um congelamento dos salários, bem como um congelamento na abertura de novos postos de trabalho. No ano passado, o turismo rendeu à família real cerca de R$ 490 milhões com a venda de ingressos e lembranças.

Exemplificando: o Palácio de Buckingham fatura cerca de 12 milhões de libras por ano, o Castelo de Windsor, 25 milhões de libras, Holyroodhouse em Edimburgo, 5,6 milhões de libras, o Royal Mews, 1,6 milhões de libras e Clarence House, 132.000 libras.

O ato institucional Sovereign Grant, que garante pagamento anual à realeza com dinheiro público para financiar seus deveres oficiais, foi de cerca de 576 milões de reais no ano passado. O e-mail também recomenda uma preparação para tempos difíceis e pela dificuldade em arrecadas novamente a mesma cifra em tempos de pandemia.

"A crise já testou nossa resiliência, adaptabilidade e preparação de várias maneiras e em todos os níveis em toda a organização. Também teve um impacto significativo nas atividades de toda a Casa Real. Embora o Reino Unido pareça estar acima do pico de infecções, ainda não está claro quando medidas como o distanciamento social chegarão ao fim. Devemos, portanto, supor que ainda podem levar muitas semanas, senão meses, até que possamos voltar aos negócios como de costume", diz o comunicado.

A mensagem continua: "Sem dúvida, há tempos muito difíceis pela frente e sabemos que muitos de vocês estão preocupados". Segundo o The Sun, alguns funcionários passaram a trabalhar em regime de home office e, embora demissões estejam descartadas, foram informados de que pode haver congelamento de salários e de abertura de novas vagas. A Casa Real tem uma equipe de cerca de 500 pessoas.

Em seu e-mail, o Lorde Peel também disse que os "gastos com propriedades" seriam reduzidos - uma medida que poderia afetar as planejadas reformas de 33 milhões de libras do Palácio de Buckingham. A crise também levou a assessores que colocaram todos os compromissos da rainha até 2022 em revisão. 

O cronograma da rainha deve ser planejado com até dois anos de antecedência, permitindo que ela faça alterações com eventuais visitas de chefes de estado estrangeiros, bem como as de outros membros da realeza.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas