Pressões do governo sobre empresas motivaram permanência de Carletto no PP

satélite
11.04.2018, 05:00:00

Pressões do governo sobre empresas motivaram permanência de Carletto no PP

Por Luan Santos

Pressões feitas por integrantes da alta cúpula do governo do estado foram cruciais para que o deputado federal Ronaldo Carletto decidisse permanecer no PP. O  parlamentar cogitava migrar para o PR durante a janela partidária para disputar uma  vaga na chapa majoritária do governo ou da oposição, mas desistiu alguns dias antes  do término do prazo para a troca de agremiação. Integrantes do governo revelaram  à Satélite que foram feitas pressões sobre as empresas de transporte de Carletto,  inclusive com a ameaça de "flexibilização" das fiscalizações sobre os veículos  clandestinos, o que traria prejuízos para as corporações do deputado. Outros temas  de interesse da atividade empresarial do pepista também estiveram na mesa de  negociações. Carletto, então, optou pela empresas e desistiu da mudança, ainda de acordo com governistas ouvidos pela coluna.

Nova derrota
A Justiça manteve a decisão de anular a votação da Câmara Municipal de Remanso que arquivou denúncias oferecidas pelo Ministério Público estadual (MP) contra seis vereadores e dois suplentes por crimes de organização criminosa e peculato. Eles são acusados de envolvimento em um esquema que desviou quase R$ 10 milhões dos cofres municipais.

Aberto ao diálogo
O deputado federal João Gualberto (PSDB), pré-candidato ao governo do estado, vai  se reunir hoje com o presidente nacional do partido, Geraldo Alckmin, postulante ao  Palácio do Planalto. Na pauta estão as eleições nacionais e na Bahia. Gualberto também pretende  conversar, ao longo da semana, com líderes partidários no estado.

Retificação
CORREIO errou ao publicar que o deputado estadual Marquinho Viana migrou do  PSB para o PR. A informação foi veiculada na edição de ontem na matéria intitulada  “19 deputados trocam de partido na janela”. Viana, que tem ligação com o deputado  federal José Rocha (PR), integrava as negociações pela manutenção dos  republicanos na base governista e chegou a acertar a mudança, mas voltou atrás.

Nos acréscimos
A definição sobre a permanência dele só saiu perto da meia-noite da última sexta-feira, quando se encerrava o prazo para a troca de agremiação, após longa reunião com integrantes do PSB. Como o PR já sinalizava por ficar na base do governo, Viana optou por seguir no partido. A ida dele seria um atrativo para a permanência do PR.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas