Procrastinação cresce com a pandemia; psicólogas ensinam como superar

empregos
20.12.2021, 06:00:00
A procrastinação é um comportamento de fuga de um confronto, compromisso, atividades da vida diária, realidade (Shutterstock/reprodução)

Procrastinação cresce com a pandemia; psicólogas ensinam como superar

Comportamento adia resoluções na vida e no trabalho

Mais que sintomas físicos, a pandemia de covid-19 trouxe uma série de sintomas psíquicos e emocionais, acentuando situações de estresse, ansiedade e depressão, fazendo com que as pessoas procrastinem suas obrigações. 

A psicóloga Isabella Barreto esclarece que a procrastinação pode ser entendida como um comportamento de fuga em relação a um confronto, seja com um compromisso, um evento de lazer, com atividades da vida diária, cuidados pessoais, situações da realidade. “É como se convencêssemos a nós mesmos de que o esforço a ser empenhado não é justificado, tendo em vista que um dia tudo acaba, e também a sensação de ausência de prazer que impulsiona ou sustenta o comportamento para realizar a ação”, diz. 

Isabella Barreto explica que com a procrastinação vem a culpa, a ansiedade, o estresse e que isso pode impactar até mesmo na vida (Foto: Arquivo pessoal)

Ela complementa, destacando que, a partir dessa percepção os objetivos, as tarefas, os deveres, os encontros, os compromissos da vida passam a não valer a energia que será gasta para realizar, resultando em adiamentos e frustrações. “Em consequência de um comportamento em que o sujeito evita realizar as tarefas ou os compromissos quando procrastina, vem a culpa, ansiedade, estresse, o comprometimento da auto estima, além de comprometer muitas vezes de forma importante, a vida funcional do sujeito”, explica.

Carmen Rezende, que também atua com psicologia clínica, salienta que as pessoas não procrastinam porque são preguiçosas. “Muitos estudos indicam que a procrastinação é uma estratégia do nosso cérebro de sobrevivência focada nas emoções. É relacionado à gestão das emoções”, afirma, destacando que se a pessoa já exerce uma rotina de “briga” em não adiar as suas tarefas, os isolamentos “forçados” pioraram o problema.

Superação

Para conseguir superar os comportamentos procrastinadores, Carmen diz que é importante que a pessoa esteja atenta às emoções sentidas quando precisa iniciar ou se programar para iniciar certas atividades. 

Carmen Rezende destaca a importância de criar um planejamento objetivo das tarefas do dia, começando do mais simples para o mais complexo (Foto: Arquivo pessoal)

Outra dica importante é apenas começar e estabelecer um objetivo realístico. “Pense pequeno ao invés de grande, e escolha um objetivo minimamente aceitável ao invés de um objetivo ideal. Foque em um (e apenas um!) objetivo por vez”, ensina.
“Seja realístico (ao invés de desejoso) sobre o tempo. Pergunte a si mesmo:
Quanto tempo a tarefa vai realmente tomar? Temos a tendência de subestimar o tempo e aí nos “enrolamos” e “travamos” quando percebemos que estimamos errado”, complementa.

Isabella sugere dar uma atenção maior às  justificativas dadas a si mesmo, além de fazer uma agenda de compromissos, classificando prioridades e tendo cuidado para não colocar grande quantidade de tarefas. “No cotidiano, é sempre bom começar sempre pelos compromissos ou demandas que são mais simples, ao se perceber em um momento de distração sobre uma atividade a realizar, voltar a atenção para o objetivo”, orienta.

Isabella lembra que é importante ter momentos de pausa que sejam produtivos, além de criar e aplicar estratégias de sinalização para cumprimento dos compromissos, aceitar colaboração e fazer junto. “Sempre que for necessário, fale sobre as dificuldades em sair desse comportamento, buscar ajuda é importante e faz parte do processo de superar a procrastinação”, finaliza.
 
SEM ADIAMENTOS
1.    Faça uma agenda de tarefas por ordem de importância;

2.    Estabeleça metas realistas e pequenas;

3.    Comece pelo mais simples e só depois vá para o mais complexo;

4.    Faça pausas durante o trabalho para ampliar a atenção;

5.    Defina o tempo dedicado a cada atividade da rotina;

6.    Aceite ajuda para realizar as tarefas;

7.    Se perceber que não consegue superar a procrastinação só, busque ajuda profissional. 
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas