Produtores temem que uso de agrotóxico na Chapada Diamantina afete orgânicos

bahia
29.08.2020, 07:00:00
Atualizado: 29.08.2020, 11:46:23
(Divulgação/Emater)

Produtores temem que uso de agrotóxico na Chapada Diamantina afete orgânicos

Associação de Produtores Orgânicos da Bahia fala de 'risco à biodiversidade'

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Na infância e adolescência, só o que Edilson Silva via nos terrenos vizinhos, em Itaberaba, também na Chapada Diamantina, eram fileiras de plantações orgânicas. Os agrotóxicos chegaram ali, como possibilidade de aumentar a produtividade, há, ao menos, 40 anos. “Eu dizia que não queria, me chamavam de louco, de sonhador, como se não fosse possível produzir sem veneno. Mas a gente sempre produziu sem veneno”, conta ele, presidente da Associação de Produtores Orgânicos da Bahia.  

A vizinhança mudou, os grandes produtores chegaram à Chapada, atraídos pelas condições climáticas. O presidente da associação, que reúne xx produtores orgânicos, diz que as grandes propriedades vizinhas “preocupam”. Não há relatos de interferência direta na qualidade do orgânico, mas existe o temor do impacto na biodiversidade, como na água e na terra, da qual dependem plantações - sobretudo orgânicas. 

"Se for pulverizado de avião, aí sim pode afetar as produções orgânicas, mas não temos registro. Nos preocupa é como esse uso afeta o ambiente, porque o orgânico precisa de um equilíbrio”, conta.

Os alimentos produzidos sem agrotóxicos são identificados pelo selo "Produto Orgânico", do Ministério da Agricultura. São, 769  produtores - pequenos, médios e grandes - cadastrados na Bahia. Os principais polos baianos de produção orgânica são, segundo a Associação de Produtores, a Chapada, o Piemonte Paraguaçu e o Recôncavo. Não há, no entanto, números, pois o Brasil não possui nenhuma sistematização de dados de quanto é produzido de orgânico.

"Para o pequeno produtor do campo, pode ser que não impacte tanto. Para o produtor maior, custa caro, essa insegurança na regularidade de entrega. Além disso, é complicado sistematizar o quanto é um mercado crescente e que tem demanda", diz Cobi Cruz, diretor do Conselho Brasileiro da Produção Orgânica e Sustentável (Organis). Há uma estimativa de que o setor movimentou R$ 4,5 bilhões em 2019.

A reportagem sobre os possíveis danos, ainda que indiretos, à produção de orgânicos, e o Ministério respondeu que as normas determinam a existência de barreiras físicas para impedir a “contaminação proveniente de propriedades vizinhas” e que “a responsabilidade da qualidade recai sobre o produtor orgânico”.

Chapada é maior produtora de morango da Bahia (Foto: Imagem representativa/Divulgação/Agência Brasil)

O caso foi relatado a um agrônomo para entender quais os riscos reais de impacto dos agrotóxicos em plantações orgânicas. Ele afirmou que, no caso de Velame, a distância não seria suficiente para que os agrotóxicos chegassem, levados pelo vento, a plantações com selo orgânico. Mas depende da intensidade do vento.

“Existe um termo chamado deriva, que é quando o agrotóxico é desviado pelo vento para outras plantações que no caso podem ser orgânicas, assim como atingir mananciais e zonas urbanas. Pode haver deriva até 2km, dependendo da forma de pulverização e condições climáticas”, explica Daniel Martins, agrônomo. 

Na Chapada Diamantina, tem tido destaque o morango orgânico. Os municípios de Morro do Chapéu, Mucugê e Palmeira - todos na Chapada - são três dos seis municípios com produção de morango, segundo a Secretaria da Agricultura do Estado. Morro do Chapéu, o maior, com 1,2 tonelada. Não há especificação de quanto desse morango é orgânico. “Mas ainda não temos preços competitivos, então temos que enviar para fora da Bahia”, conta. 

O destino principal é São Paulo. Os orgânicos são, geralmente, mais caros que os vegetais e hortaliças regados a veneno, pois  é preciso mais determinação no cultivo, como a descoberta de inseticidas naturais. O quilo do morango orgânico custa R$ 42; plantado com agrotóxico, R$ 20.

 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas