Programa de residência destina médicos para rede municipal de saúde

salvador
16.10.2020, 18:03:00

Programa de residência destina médicos para rede municipal de saúde

Em menos de um ano, 83 médicos residentes já foram designados para unidades básicas, de pronto-atendimento e emergência hospitalar da capital baiana

O Programa Integrado de Residências em Saúde (PIRS), em menos de um ano, já destinou 83 médicos residentes para unidades básicas, de pronto-atendimento e emergência hospitalar da capital baiana.  O médico Matheus Oliveira, 31 anos, é um desses profissionais. Ele, que nunca havia atuado no sistema público de saúde, conta o quanto a experiência de fazer residência na Unidade de Saúde da Família (USF) Ilha Amarela, no Subúrbio Ferroviário, tem sido enriquecedora.  

“Participar de um programa de residência como esse me traz um olhar mais amplo em relação aos cuidados com os pacientes, de gestão de unidade e entendimento de como funciona a rede pública saúde em questões macro. Graças à iniciativa, me sinto mais capacitado para atuar na atenção primária”, revela. 

Instituído por meio de lei municipal e aprovado pela Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM) do Ministério da Educação (MEC), o PIRS na verdade engloba dois programas. Um é o de Residência em Medicina de Emergência, que visa formar especialistas em medicina de emergência e capacitar profissionais para reconhecer, iniciar prontamente o tratamento e monitorar pacientes em situações de urgência e emergência. O prazo para concluir essa especialização é de três anos.  

O outro programa é o de Residência em Medicina de Família e Comunidade, cujo objetivo é formar especialistas para atuar na atenção primária. O tempo dessa pós-graduação é de dois anos.  

O PIRS oferta bolsas de R$ 3.330 (Medicina de Emergência), pagas pelo Ministério da Educação, e R$ 6 mil (Medicina de Família e Comunidade), custeadas pelos cofres municipais. O ingresso dos médicos nos programas ocorre anualmente por processo seletivo unificado, coordenado pela Comissão Estadual de Residência Médica (Cerem-BA). 

Maior contingente
De acordo com a coordenadora do programa de Residência de Medicina de Família e Comunidade da SMS, Luamorena Leoni, a oferta de vagas de residência médica tem contribuído para aumentar o contingente de profissionais na rede pública municipal.  

“Há uma grande dificuldade de encontrar médicos que queiram chegar na atenção primária para ficar. Muitos chegam como passagem, sem criar raízes. A ideia é formar os profissionais para que eles fiquem, o que consequentemente traz mais qualidade dos serviços prestados para a população”, explica.  

No programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade há 77 vagas ocupadas, entre próprias e conveniadas. São instituições de ensino superior parceiras da iniciativa: Ufba, Escola Bahiana de Medicina, UniFTC, Fundação Estatal Saúde da Família e Escola de Saúde Pública da Bahia.  

Hospital municipal 
Inaugurado em 2018, o Hospital Municipal de Salvador (HMS), em Boca da Mata, também está credenciado para receber médicos residentes do programa em Medicina de Emergência, sendo o primeiro da Bahia a possuir uma iniciativa de qualificação profissional desse tipo.  

A especialização oferta seis vagas por ano. “Aqui no Hospital Municipal, o programa me traz tudo o que a gente precisa de equipamento físico. Há três preceptores especializados em Medicina de Emergência e estou sempre sendo acompanhado de forma integral e bem assessorado”, revela o médico Jean Rios, 32. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas