Que avenida é essa? Conheça a Paralela, há 30 anos

clarissa pacheco
26.04.2020, 05:00:00

Que avenida é essa? Conheça a Paralela, há 30 anos

Via começou a ser construída na década de 1970 e já mudou de nome algumas vezes

Avenida Paralela, em agosto de 1990
(Foto: Luiz Hermano/Arquivo CORREIO)

'Quando eu cheguei aqui, isso tudo era mato'. Quem nunca? Peço licença para usar, aqui, a frase mais dita por moradores antigos de diversas comunidades de Salvador ao falar das transformações ocorridas nos locais onde vivem há décadas.

Esta da foto é a Avenida Paralela, em 14 de agosto de 1990, quando ali, quase tudo ao redor, era mesmo mato - Mata Atlântica. A avenida que tem pouco mais de 13 quilômetros de extensão e hoje liga as imediações do Shopping da Bahia até quase chegar ao Aeroporto de Salvador, começou a ser construída na década de 1970 paralela à orla -  daí o apelido - e se chamava oficialmente, quando o fotografo Luiz Hermano fez esse registro, há quase 30 anos, Avenida Luís Viana Filho. 

Depois, em 2002, passou a se chamar Luís Viana. Em 2018, o nome foi novamente trocado para Luíz Viana Filho. Portanto, se você nunca sabe como chamar a Paralela, saiba que não está sozinho nessa: ela, de fato, trocou de nome algumas vezes para homenagear pai e filho.

Hoje, essa mesma avenida que parecia mais uma rodovia, dada a ausência de vida urbana ao redor, tem um dos maiores fluxos de veículos da capital baiana. Segundo dados da Superintendência de Trânsito de Salvador (Transalvador), em alguns pontos da Paralela, chegam a passar quase 50 mil veículos por dia. 

A Paralela é, também, uma das vias com maior número de acidentes. Embora eles venham caindo de 2012 para cá, só no ano passado foram 156 acidentes com feridos, sendo cinco deles com vítimas fatais.

Hoje, o visual da Paralela é outro: shoppings, prédios, centros comerciais e administrativo, faculdades, condomínios dão lugar ao 'mato' de algumas décadas atrás. Antes, a avenida detinha uma boa reserva de Mata Atlântica, hoje ainda preservada em poucos pontos, como o Parque de Pituaçu e o Vale Encantado.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas