Relatório médico atesta lucidez de Mãe Stella, afirma psicóloga

salvador
10.12.2017, 10:11:00
Atualizado: 10.12.2017, 10:13:40
(Foto: Marina Silva/CORREIO)

Relatório médico atesta lucidez de Mãe Stella, afirma psicóloga

Familiares e filhos do terreiro reivindicam o retorno ao terreiro da ialorixá, levada por companheira para Nazaré

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Em resposta às acusações feitas por familiares e filhos do terreiro Ilê Axé Opô Afonjá em relação ao comportamento com a ialorixá Mãe Stella de Oxóssi, 92 anos, a psicóloga Graziela Domini encaminhou ao CORREIO, ontem, a cópia do relatório médico, que atesta que a sacerdotisa está lúcida e orientada, e uma procuração registrada no 12º Ofício de Notas, sob a responsabilidade da tabeliã Tarsila Aguiar Borges, que atesta que as decisões médicas envolvendo o estado de saúde da líder religiosa serão tomadas em conjunto com Graziela.

(Foto: Marina Silva/CORREIO)

Na edição de sexta (8), o CORREIO publicou que familiares e filhos do terreiro protocolaram na Justiça uma ação contra Graziela e que eles reivindicam o retorno ao terreiro da ialorixá, levada por Graziela até Nazaré, no Recôncavo baiano, onde a psicóloga tem parentes.

Graziela enviou ainda uma procuração que passa os direitos autorais das obras publicadas e das que vierem a ser publicadas para Graziela após a morte da líder religiosa.  

“Jurei, enquanto psicóloga, a ajudar as pessoas a equilibrarem suas almas e, como sacerdotisa, tenho obrigação de compreender as fraquezas humanas. Mas compreender não é aceitar”, escreveu Graziela, em carta em que rebate item por item as acusações feitas pela comunidade do Afonjá. Na carta, ela pede ainda providências por parte dos filhos e filhas da casa e do Conselho e afirma que a situação está impactando de forma muito negativa a saúde de Mãe Stella.

Já Ribamar Daniel, presidente da Sociedade Cruz Santa do Afonjá e um dos 12 obás de Xangô do Ilê Axé Opô Afonjá, afirmou que, na próxima semana, deve viajar para Nazaré, junto com os advogados do terreiro, para resolver a situação que envolve a ialorixá e a psicóloga.

“Queremos conversar com Mãe Stella longe da presença dessa cuidadora que se diz esposa. Perguntar se ela esqueceu do Candomblé, dos ensinamentos de Mãe Aninha e se quer renunciar ao cargo de ialorixá do Afonjá. Se assim for, ela assinará os documentos de renúncia e voltaremos a procurar a sucessora. Do contrário, ela precisará voltar ao terreiro, de onde só pode sair depois que sua vida chegar ao fim”, completa Ribamar, em entrevista ao CORREIO ontem.

Ele disse ainda que Mãe Stella tem obrigações dadas por Xangô: “Não temos nada a ver com a vida pessoal de Mãe Stella, mas como sacerdotisa da casa, ela tem obrigações dadas por Xangô”, falou o representante do terreiro, que reclama ainda o fato de Graziela estar respondendo por funções religiosas que não são suas. “Ela tinha o cargo de Iya Egbé, que é mãe da comunidade, no entanto, ela tirou os santos da casa e colocou num espaço onde se coloca o santo de que morre, o ojobó, por isso mesmo, ela não tem mais nenhuma função na casa”, completou Ribamar.

Graziela afirmou que isso não passa de difamação e que os trabalhos realizados nos assentamentos foram feitos por orientação do jogo oracular na presença da ialorixá e da Mãe Pequena (Iya Kekerê). “Já estão questionando as decisões da Mãe de Santo, agora vão questionar as decisões dos orixás? Sou eu mesma quem desrespeito as tradições e a hierarquia?”, questionou a psicóloga, na carta.

Em junho deste ano, a coluna Satélite, do CORREIO, noticiou com exclusividade que familiares de Mãe Stella haviam pedido intervenção do Ministério Público (MP-BA) para ter acesso à ialorixá.
 
Também ontem, a ex-companheira de Mãe Stella e ialorixá do Ilê Axé Asiwaju, Cléo Martins, gravou um vídeo empenhando seu apoio à comunidade do Afonjá e garantindo que Mãe Stella não deixaria o terreiro de livre e espontânea vontade.

Na ausência de Mãe Stella, quem assume o terreiro interinamente é a Iya Kekerê da Casa. Em caso de falecimento, o terreiro fica de luto por um ano. Completado o período, um sacerdote indicado pela comunidade faz o jogo de búzios para indicar a sucessora que irá assumir o lugar deixado pela ialorixá.

“Mãe Stella não preparou ninguém para substituí-la, não indicou ninguém para fazer o jogo e isso vai gerar muito conflito na comunidade, por isso, precisamos resolver isso o quanto antes”, finaliza Ribamar. 

Veja os documentos. Clique nas imagens para aumentar



***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas