Repertório Cultural

césar romero
06.08.2017, 00:01:00

Repertório Cultural


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Em cartaz no Cine Theatro Brasil Vallourec, em  Belo Horizonte, a exposição Uma Coleção – Manfred Leyerer, até o dia 16 de agosto.

Manfred é um colecionador apaixonado por Minas Gerais, alemão de origem, que tornou-se um profundo conhecedor de arte, especialmente a arte mineira. Sua coleção, agora aberta ao grande público, traz uma revelação consistente sobre artistas que, nascidos ou radicados em Minas Gerais, trouxeram sua contribuição valorizando a cultura local, as raízes e os propósitos.O Cine Theatro Brasil, depois de restaurado, é hoje um ponto de referência da cultura do estado. Sua inauguração há três anos, com a exposição Guerra e Paz de Portinari, marcou a história de Belo Horizonte.

Manfred Leyerer é um colecionador que acompanha de perto as produções dos artistas que adquire e quando falecidos, estuda com minucioso cuidado suas trajetórias.

Sabe-se que exposições de artistas são bem mais frequentes de serem vistas do que as de colecionadores particulares frente a comparações maiores, tais como instituições públicas e privadas. Manfred Leyerer relata que o colecionador, tem a pretensão de ter em mãos o melhor produzido por cada artista de sua preferência. Justifica que o colecionador tem a vantagem de enxergar qualidades em uma obra antes do próprio artista, devido ao distanciamento estético que ele dispõe, devido a um arsenal de critérios particulares em sua mente e uma linha de pensamento frio de avaliação. 

Dividir, momentaneamente, por um curto espaço de tempo, uma coleção, leva um reconhecimento ao artista e seu esforço criativo. Para o público a possibilidade de conhecer, algo guardado nas paredes do colecionador, que ele não tem acesso. Ainda ver a diversidade das obras expostas, e seu poder criativo.

As escolhas se deram pela importância de cada obra de arte, pelas preferências e pelos afetos que são legítimos a um colecionador.

A curadoria é de Robson Soares, as fotos de Gustavo Djalma, com projeto gráfico de Clara Gontijo e textos de Alberto Camisassa, Alexandre Lyra, Alexandre Melo, Manfred Leyerer, Miguel Gontijo e Robson Soares. Na coleção podem ser vistos: Carlos Bracher; Chanina, falecido em 2012; Álvaro Apocalypse, importante pintor e um dos fundadores do Grupo Giramundo, falecido em 2003; Yara Tupynambá, Fani Bracher, Miguel Gontijo, Ângelo Issa, Leandro Maciel, estes mineiros, e outros de diversos estados brasileiros como João Câmara, Carlos Scliar, Newton Rezende, Ivan Marquetti, Di Cavalcanti, Reynaldo Fonseca, Enrico Bianco, Fukushima, Manabu Mabe, Dionísio Del Santo e Santa Rosa. Momentos de uma época.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas