Roger agrada a diretoria tricolor; Ceni também entra na pauta

e.c. bahia
02.04.2019, 04:50:00
Atualizado: 02.04.2019, 15:50:32
Roger está sem clube desde julho de 2018, quando deixou o Palmeiras (Foto: BRUNO CANTINI/ ATLÉTICO-MG/ DIVULGAÇÃO)

Roger agrada a diretoria tricolor; Ceni também entra na pauta

Treinador ex-Palmeiras está na pauta do tricolor para a vaga de Enderson

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Enquanto o elenco do Bahia se prepara para mais um desafio na temporada, fora de campo a diretoria corre contra o tempo para encontrar o substituto do técnico Enderson Moreira, demitido após a eliminação no Nordestão. 

Até o momento, a cúpula tricolor não falou em nomes, mas nos bastidores o preferido para assumir o Esquadrão é Roger Machado. Aos 43 anos, Roger está sem clube desde que deixou o Palmeiras, em julho do ano passado. No currículo, ele conta com passagens por clubes como Juventude, Novo Hamburgo, Grêmio e Atlético-MG. 

O CORREIO tentou contato com Roger Machado, mas ele não atendeu as ligações. Apesar de não falar em nomes, o presidente Guilherme Bellintani traçou o perfil que busca no novo treinador. 

“Infelizmente ainda vemos nomes de treinadores muito desejados pela torcida, mas que às vezes veem o Nordeste, e clubes como o Bahia, que passaram muito tempo fora do eixo principal do futebol brasileiro, como uma posição de menor importância para ele. Não quero trazer um treinador que não ache que o Bahia está à altura dele. Vamos buscar um treinador que queira treinar o Bahia e que esteja à altura do nosso clube também. Mas talvez não seja quem a torcida imagina”, disse Bellintani em entrevista à Rádio Metrópole.

Além de Roger, outro nome que agrada a diretoria é o de Rogério Ceni, atualmente no Fortaleza. Campeão da Série B no passado com o time cearense, Rogério já foi alvo do Bahia antes da chegada de Enderson Moreira, mas na ocasião a negociação não avançou. “É um processo difícil, que demora um pouco, a gente sabe da complexidade”, continuou Bellintani.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas