Salvador recebe mais uma vacina para lutar contra o novo coronavírus

coronavírus
04.05.2021, 05:15:00
Vacinas da Pfizer/BioNTech chegaram segunda em Salvador. Ao todo, foram 26,9 mil doses para a cidade (Nara Gentil/CORREIO)

Salvador recebe mais uma vacina para lutar contra o novo coronavírus

Além da CoronaVac e da Oxford/Aztrazeneca, entrou na lista também a Pfizer/BioNTech, com 26 mil doses

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A partir desta terça-feira (4), Salvador passa a contar com três vacinas para enfrentar a pandemia de covid-19. Além dos imunizantes de Oxford/Astrazeneca e da CoronaVac, a Pfizer/BioNTech entrou na lista. As primeiras 26.910 doses chegaram à Bahia na tarde de segunda-feira. Pela manhã, outras 405 mil ampolas de Oxford desembarcaram no Grupamento Aéreo da Polícia Militar da Bahia (Graer).

Nesse momento, elas serão usadas para proteger pessoas que têm comorbidades. A coordenadora do programa de imunização da Bahia, Vânia Rebouças, acompanhou o desembarque e contou que a distribuição para os municípios começou ontem mesmo. Caminhões foram usados para levar as vacinas até as cidades mais próximas e cinco aviões para as mais distantes.

“A partir desta semana estamos atendendo o grupo de pessoas portadoras de doenças crônicas. É importante lembrar que essas pessoas são prioridade e que nós vamos fazer a vacinação por ordem regressiva de idade, começando por pessoas com 59 e 58 anos, e seguindo em ordem decrescente”, disse.

Salvador terá 50.050 das 405 mil doses do imunizante de Oxford, e toda a Região Metropolitana vai ficar com 79.500. Mas a maior expectativa é para a aplicação da nova vacina: Comirnaty, produzida pela Pfizer/ BioNTech.

Novidade

Sete meses depois de ser colocada à disposição do Brasil, a vacina da Pfizer chegou à Bahia. As 26 mil doses entregues ontem serão destinadas exclusivamente para Salvador, conforme orientação do Ministério da Saúde, que determinou que o primeiro lote do imunizante seja entregue só para as capitais.

Segundo a Pfizer, o contrato com a União estabelece a entrega de 100 milhões de vacinas até setembro. A primeira remessa, com 1 milhão de doses, foi entregue ao Governo Federal na quinta-feira passada. Elas foram produzidas na fábrica da Pfizer em Puurs, na Bélgica. “A empresa está trabalhando junto ao Ministério da Saúde nas etapas necessárias para que a entrega das doses seja realizada conforme o cronograma”, explicou a Pfizer, em nota.

O registro definitivo concedido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autoriza a aplicação em pessoas a partir dos 16 anos, em duas doses. A eficácia global é de 95% em toda população do levantamento, incluindo análise em diferentes grupos étnicos e pacientes com condições clínicas de risco, e de 94% em indivíduos acima de 65 anos.

O Brasil foi um dos países que participaram da fase 3 do estudo clínico para o desenvolvimento da vacina. No país, participaram 2.900 voluntários e os trabalhos foram conduzidos pelas Obras Assistenciais Irmã Dulce (Osid), em Salvador, e pelo Centro Paulista de Investigação Clínica (Cepic), em São Paulo.

Mudanças

A Pfizer tem uma logística diferenciada em relação às outras vacinas entregues pelo Ministério da Saúde. Primeiro, ela precisa ser armazenada em temperaturas de 20°C negativos. Atualmente, o Governo do Estado tem 30 ultracongeladores, em nove centros de distribuição (veja abaixo), que conseguem atender essa demanda. Além disso, ela exige cuidados redobrados com o acondicionamento.

“Essa será a primeira vez que vamos trabalhar com uma vacina que requer temperaturas ultranegativas. As outras, a CoronaVac e a Oxford, têm temperatura de armazenamento de 2°C a 8°C positivos. A Pfizer tem uma necessidade de acondicionamento diferente por conta de sua plataforma de produção. Ela vai chegar para a gente em uma temperatura ultranegativa, podendo permanecer por 14 dias, e no momento em que a colocamos de 2 a 8 graus, nas salas de vacinação, só teremos cinco dias para usá-las”, contou Rebouças.

Na hora da aplicação é preciso misturar o líquido com um insumo, procedimento similar ao da benzetacil, para depois injetar a agulha no paciente. O tempo recomendado pelo fabricante entre a primeira e a segunda dose é de 21 dias, mas o Ministério da Saúde resolveu alterar o prazo para 12 semanas, como acontece com a vacina de Oxford. A pasta informou que adota o mesmo intervalo do Reino Unido, que ampliou o prazo com base em estudos que constataram que o imunizante da Pfizer confere 80% de eficácia em hospitalizações com só uma dose. 

Em falta
Para a população a chegada das novas doses representa um alívio. Ainda resta um mês e meio para a costureira Ana Alice Lima, 65 anos, tomar a segunda dose da vacina contra o novo coronavírus, mas as notícias de atrasos no repasse dos lotes têm tirado o sono da idosa. Ela tomou a primeira dose da Oxford/ AstraZeneca em março, e disse que está contando os dias para concluir o ciclo de proteção.

“Demorou tanto para eu poder me vacinar, então, não quero perder o prazo da segunda dose. Vi que algumas vacinas estão em falta e já tem gente que talvez não vai conseguir receber a última dose no prazo certo. Não quero ter que passar por isso”, contou.

Ana Alice está se referindo a CoronaVac. Na semana passada, a Prefeitura de Salvador informou que o estoque para aplicar a segunda dose desse imunizante está em baixa devido à escassez de repasses do Ministério da Saúde. A estimativa da Secretaria Municipal de Saúde é de que 36 mil pessoas estão sendo prejudicadas pelo atraso na entrega dos lotes.

Já a Oxford corria o risco de acabar na sexta-feira (7), mas com as chegada das doses nesta segunda a situação deve se regularizar.

Vacinação
Pessoas com todas as comorbidades elencadas no Plano Nacional de Imunização com idade superior a 50 anos começaram a ser imunizadas nesta segunda (3), em Salvador. A aplicação da primeira dose para os demais públicos segue normalmente nos postos fixos e drive-thrus, além do serviço Vacina Express, das 8h às 16h. Confira os locais pelo filômetro

Quem tem comorbidade precisa estar com o nome cadastrado no site da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) e, no ato da vacina, apresentar documento oficial de identificação com foto.

Veja as diferenças e semelhanças entre as vacinas: 

Vacina CoronaVac Oxford Pfizer

Intervalo entre primeira e segunda dose

28 dias 21 dias (3 meses no Brasil)

3 meses

Armazenamento

2ºC a 8°C  2ºC a 8°C

- 20ºC

Aplicação

Líquido já vem diluído Líquido já vem diluído

Líquido precisa ser diluído antes de ser aplicado

Fabricante

Instituto Butantan (São Paulo) e SinoVac (China) AstraZenica/ Oxford e Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)

Pfizer/ BioNTech

Confira as comorbidades definidas pelo Ministério da Saúde: 
Diabetes
Pneumopatias crônicas graves
Hipertensão Arterial Resistente (HAR)
Hipertensão arterial estágio 3
Hipertensão arterial estágios 1 e 2 com lesão em órgão-alvo e/ou comorbidade
Insufiência cardíaca
Hipertensão Pulmonar
Cardiopatia hipertensiva
Síndromes coronarianas
Valvopatias
Miocardiopatias e pericardiopatias
Doenças da aorta, dos grandes vasos e fístulas arteriovenosas
Arritmias cardíacas
Cardiopatias congênita no adulto
Próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados
Doença cerebrovascular
Doença renal crônica
Imunossuprimidos
Anemia falciforme
Obesidade mórbida
Síndrome de Down
Cirrose hepática

Bahia tem 30 ultracongeladores para armazenar a Pfizer:

  • Central Estadual de Armazenamento e Distribuição de Imunobiológicos, em Simões Filho (5) - atende toda a Região Metropolitana de Salvador;
  • Feira de Santana (5);
  • Vitória da Conquista (5);
  • Ilhéus (4);
  • Juazeiro (3);
  • Barreiras (3);
  • Jacobina (2);
  • Teixeira de Freitas (2);
  • Alagoinhas (1)


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas