Salvador Unida: Vizinhos criam campanhas para ajudar trabalhadores autônomos 

salvador
22.03.2020, 17:58:00
Atualizado: 26.03.2020, 12:30:31
Horto Florestal iniciou movimento solidário (Evandro Veiga/CORREIO)

Salvador Unida: Vizinhos criam campanhas para ajudar trabalhadores autônomos 

Movimento começou no Horto Florestal e já se espalhou por outros nove bairros da capital 

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Fique em casa. É essa a recomendação espalhada pelos quatro cantos. Para ajudar no combate ao novo coronavírus, a cidade aderiu ao isolamento social, inclusive com praias interditadas e shoppings fechados  por orientação da prefeitura. O isolamento, no entanto, não é algo fácil para quem é autônomo e trabalha nas ruas. Para eles, estar sem trabalhar é ficar sem receber, e sem dinheiro para o básico. Pensando nessas pessoas é que na última sexa-feira (19), teve início o projeto Espalhe Amor pelo seu bairro. 

Ideia da empresária Sandy Najar, em conjunto com outras amigas, o projeto nasceu inspirado pela história de Zé, um pipoqueiro que, em tempos de quarentena, recebe a ajuda dos pais e alunos da escola particular onde, há anos, estaciona seu carrinho de pipoca.

“Ele foi ajudado pela comunidade da escola, e eu pensei, a gente pode ajudar aqueles que trabalham aqui, no nosso bairro, que a gente conhece e convive”, conta Sandy sobre o ínicio da ideia. 

O projeto teve início pelo bairro onde moram as idealizadoras: o Horto Florestal.- Em dois dias de criado, o grupo do bairro já reúne 240 pessoas e já conseguiu arrecadar cerca de R$ 14 mil em doações. Os valores serão distribuídos entre pelo menos 13 beneficiários identificados pelos próprios moradores. São os prestadores de serviço da região: o chaveiro, vendedor de frutas, o rapaz do lava jato. Gente que está no dia a dia do bairro, e que, sem trabalho, fica sem qualquer renda.

“Nossa intenção é ajudar eles que nesse período estão sem demanda. O rapaz do lava-jato, por exemplo, me disse que normalmente lava 30 carros por dia e esses dias teve 3. A gente quer ajudar essas pessoas a ficarem em casa, com tranquilidade, se protegendo, mas sabendo que tem um recurso pra conseguir garantir o básico”, explica a idealizadora. 

No Horto, onde a iniciativa começou, a ideia é conseguir ajudar cada um dos beneficiados com o depósito de um salário mínimo. Os valores serão depositados diretamente nas contas dos beneficiários. Cada voluntário pode assumir quantas cotas de R$ 50 couberem em seu orçamento. No final de um período de divulgação, o grupo de cada bairro é fechado e os doadores são distribuídos para saber em qual conta fazer o depósito. 

Pela cidade 

Com apenas 48h de vida, o projeto (@dissemineamornoseubairro) já está presente em outros nove bairros de Salvador. Já existem grupos para os bairros da Graça, Vitória, Ondina, Piatã, Itaigara, Iguatemi, Canela, Pituba e Caminho das Árvores. Só na Vitória, por exemplo, já são quase 100 vizinhos dispostos a ajudar. Cada um deles adquiriu duas cotas de R$ 50,00, ou seja, colaborou com R$ 100,00 para a campanha. Mais de R$ 10 mil já estão garantidos para as doações.

“A ideia desde o início sempre foi espalhar pela cidade, que cada um pudesse tomar a iniciativa no seu bairro, e estamos muito feliz de ver que está dando certo. No início a gente entra nos grupos, ajuda nos primeiros passos, e aí os próprios grupos começam a funciona por si só”, explica Sandy. Quem quiser participar e abrir o grupo de um novo bairro, ou entrar em um dos grupos já formados pode contatar as organizadoras através das redes sociais ou por telefone. As primeiras doações devem chegar aos seus destinos no início desta próxima semana. 

No Rio Vermelho, moradores também adotaram a iniciativa, com a campanha #DissemineAmor RV. 

"Em decorrência da triste realidade enfrentada devido aos efeitos da Covid-19, tivemos a ideia de unir forças para ajudar aqueles prestadores de serviços informais localizados no nosso bairro! Essas pessoas precisam, a exemplo do pipoqueiro, do vendedor de doce, de côco, de frutas, vender seus produtos na rua para sobreviver. Pensando nelas, entendemos que se cada bairro fizer um grupo e disseminar a ideia de ajudá-las, conseguiremos atingir muita gente, além de oferecer mínimo conforto e segurança para que essas pessoas possam permanecer em seus lares", diz o comunicado. 

Para entrar no grupo, clique aqui

Campanha Dissemine Amor - Contatos: 
99970- 4918
   
*Com orientação da subeditora Clarissa Pacheco 

***

O CORREIO compartilha boas ideias e atitudes de pessoas e empresas dispostas a fazer a diferença para, juntos, superar a tormenta da pandemia de coronavírus. Tem uma boa história? Compartilhe com a gente.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas