Secom vai às redes com mesmo discurso de Lorenzoni para defender governo

coronavírus
24.06.2021, 13:02:05
Atualizado: 24.06.2021, 13:13:23

Secom vai às redes com mesmo discurso de Lorenzoni para defender governo

Órgão repetiu que as denúncias têm como base um documento com erros ou adulterado

Na mesma linha do ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), a Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) foi às redes sociais rebater as acusações contra o governo federal no caso da compra de vacinas contra a covid-19 acima do preço anunciado, conforme revelou o Estadão/Broadcast Político. O órgão repetiu o argumento de que as denúncias feitas pelo deputado Luis Miranda (DEM-DF) foram feitas com base em um documento com erros ou adulterado.

"Ao contrário do alardeado, não houve superfaturamento nem favorecimento", publicou a Secom em sua conta oficial no Twitter, repetindo as palavras de Onyx, que disse o mesmo ao comentar sobre o tema na noite desta quarta-feira (23). "Toda a narrativa divulgada pelo deputado, acolhida e propagada exaustivamente pela imprensa tem como base um documento com erros, e que apresenta fortes indícios de adulteração (será periciado)", publicou.

O órgão acusa um servidor de "aparentemente" alterar o documento "por algum motivo escuso". "Ou identificou um erro que logo foi corrigido e, mesmo assim, utilizou o documento errado para criar uma narrativa mentirosa contra o presidente da República e o Governo Federal", declara a Secom.

"Os US$ 15/dose da Covaxin estão numa variação de 30% em relação à média das vacinas negociadas. A contratação integra o esforço de garantir vacinas para todos os brasileiros. Como se vê, o governo é atacado tanto por assinar como por (supostamente) não assinar (contratos)", afirma.

Ao Broadcast Político, Luis Miranda afirmou ter apontado para o presidente Jair Bolsonaro supostas irregularidades e "esquema de corrupção" no contrato do Ministério da Saúde para a compra da vacina indiana Covaxin. O chefe do Executivo, no entanto, teria ignorado o aviso e evitado responder ao parlamentar, segundo relato de auxiliares a Miranda. Os termos do contrato supostamente beneficiariam a empresa responsável pela intermediação da compra do imunizante. Segundo mostrou o Estadão/Broadcast, o valor acertado pela compra das vacinas seria dez vezes maior que o anunciado pela farmacêutica seis meses antes.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas