Secretário de saúde fala sobre medo de morrer por covid: 'é uma roleta-russa'

coronavírus
08.03.2021, 07:41:12
Atualizado: 08.03.2021, 07:55:58

Secretário de saúde fala sobre medo de morrer por covid: 'é uma roleta-russa'

Fábio Vilas-Boas desabafou sobre os dias em que ficou internado para tratar a doença

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Em recuperação da covid-19, o secretário estadual da Saúde (Sesab), Fábio Vilas-Boas, desabafou sobre a experiência de passar pela UTI após o agravamento do seu quadro de saúde. Ele ficou internado por 9 dias no Hospital Aliança, em Salvador, no mês passado.

"É uma experiência única você padecer de uma doença que você não tem nenhuma diretriz se a pessoa vai evoluir bem ou mal. É uma roleta-russa, às vezes você faz tudo que tem ao seu alcance, mas tudo o que existe ao alcance em termos de terapêuticas para essa doença é pouco", afirmou, em entrevista à TV Bahia, nesta segunda-feira (8). 

Ele contou ainda que além de lidar com os sintomas físicos da doença, o paciente passa por angústias psicológicas. "É uma angústia fisica, porque a doença lhe tira a energia, mas também é uma angústia psicológica pela incerteza de como a doença vai evoluir", disse.

Vilas-Boas disse que 'não teve como não pensar' na possibilidade de ser uma vítima fatal da covid-19. "Não tive como não ter medo quando a minha saturação caiu abaixo de 90, mesmo usando oxigênio e vem a possibilidade de colocar um respirador. Quando você vai para um respirador, as chances da pessoa evoluir mal e não sair é bem maior. As pessoas devem saber que a garantia de estar em um leito de UTI não é garantia de sobrevida. A gente tem muitas variáveis envolvidas que atentam para a nossa vida", explica.

O secretário tem voltado aos poucos à rotina de trabalho e mantém o tratamento de recuperação da doença, fazendo exercícios e sessões de fisioterapia. "Tenho feito muitos exercícios. É impressionante como a gente perde muita mnassa muscular para a doença, isso contribui apra a sensação de fraqueza. Eu regularmente fazia exercícios, e tenho retornado progressivamente", relatou.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas