Segmento de eventos amarga uma crise sem precedentes

bahia
16.09.2020, 05:00:00
(Foto: Igor Santos/Secom)

Segmento de eventos amarga uma crise sem precedentes

Empresa chega a registrar um prejuízo de 90% em seu faturamento anual

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O turismo foi uma das áreas da economia brasileira mais atingidas pela crise causada pela pandemia do novo coronavírus. E dentro do turismo nenhuma outra foi tão atingida quando a promoção de grandes eventos, como feiras e convenções. Um exemplo do impacto causado pelo vírus pode ser notado no faturamento da GL Events, empresa global envolvida em toda a cadeia de eventos e que é responsável por administrar o Centro de Convenções de Salvador. Aqui no país, a empresa viu o seu faturamento ser cortado em 90% após as medidas de isolamento social. 

E para deixar claro que o problema não se restringe a uma única empresa, o setor de eventos registrou um prejuízo de R$ 129,1 bilhões no primeiro semestre do ano, segundo dados da União Brasileira dos Promotores de Feiras (Ubrafe). A estimativa é de um prejuízo de R$ 322,7 bilhões, sendo R$ 14,7 bilhões apenas para empresas que atuam diretamente com exposições. Aqui na Bahia, foram cancelados 1.248 eventos entre 1º de março e 30 de maio, de acordo com dados da Associação Brasileira de Empresas de Eventos (Abeoc), citados pelo presidente da Salvador Destination, Roberto Duran. 

Em relação ao ano atual, há muito pouco a se fazer, acredita o CEO da GL Events no Brasil, Damien Timperio. Entretanto, o executivo acredita que é possível evitar que o ano de 2021 também seja comprometido pela pandemia. O grande problema do mercado de eventos corporativos e outros grandes eventos é que o que é decidido agora surte efeito apenas alguns meses depois, explica. 

“O nosso setor está suportando com muita dificuldade o que está acontecendo agora e compreendemos que as autoridades, não apenas no Brasil, mas no mundo inteiro, fazem o melhor, mas acredito que as empresas não irão conseguir suportar entrar em 2021 do modo como as coisas estão atualmente”, avalia. 

Damien Timperio vai detalhar as perspectivas do segmento de eventos corporativos hoje, durante o fórum Agenda Bahia ao Vivo, a partir das 11h, numa live transmitida pelo CORREIO. Além dele, o evento com o tema Dados da Gente terá a participação de Ricardo Freire, criador do site Viaje na Viagem; Cheiko Aoki, fundadora e presidente do Blue Tree Hotels; e Fernando Botelho, diretor de marketing da Expedia para a América Latina

Com base na operação da GL em diversos mercados mundiais, Timpério acredita que o Brasil é o país onde a pandemia mais impactou o mercado de eventos. “Na China, existem algumas regiões perto de Pequim onde ainda há limitações, mas nosso centro de exposições lá voltou a funcionar e opera com 70% da capacidade de antigamente”, exemplifica. Ele diz que na Europa, principalmente na França onde a empresa tem uma base forte, os eventos também já foram retomados. Ele diz que o Chile é outro país onde a empresa opera com dificuldades parecidas às enfrentadas no Brasil. 

Mas mesmo aqui no país, não existe uma realidade homogênea, explica. “No Brasil, o Rio está mais adiantado e com maior flexibilização, mas para ser sincero, sentimos que pode mudar a qualquer momento. As imagens de praias lotadas preocupam e podem pressionar o poder público a voltar atrás”, avalia. 

Segundo ele, o setor está preparado para um cenário de bastante rigidez em relação à operação nos próximos anos. Timpério lembra que mesmo antes da pandemia, grandes eventos já utilizavam tecnologias que permitem o controle do fluxo de pessoas. O executivo diz que a expectativa de quem trabalha com eventos é pela definição de regras por parte do poder público, para que o setor possa planejar o seu retorno quando possível. “Entendo as dificuldades do poder público e não me permito julgar”, afirma. 

Salvador
A GL chegou a realizar dois grandes eventos no Centro de Convenções de Salvador antes da pandemia, mas precisou reduzir o ritmo desde a pandemia. “Fizemos nosso dever de casa no recebimento técnico do equipamento, planejávamos as políticas de marketing e comercial, mas isso é algo meio abstrato hoje. A gente tinha um portfólio de demandas que estava superior às nossas expectativas, mas não tivemos tempo de assinar”, conta.  

Ele disse que mesmo com o faturamento zerado aqui na Bahia, os planos da empresa estão mantidos, dependendo apenas de condições para trabalhar. “Mantivemos as equipes que já estavam conosco, nossos planos de novos recrutamento serão executados quando houver condições, mesmo com o fluxo de caixa extremamente negativo”, diz. Segundo ele, a empresa pagou a outorga e antecipou investimentos para ter o equipamento pronto. “Só precisamos dos sinais de reabertura”. 

Mesmo com a expectativa para poder voltar a operar em Salvador, Damien Timperio avalia a postura do poder público no estado como positiva. “Esses cuidados que estão sendo tomados são muito importantes. Nossa posição é de apoio a eles. O que queremos é demonstrar que o nosso setor tem condições de receber eventos de maneira responsável”, explica. 

Futuro 
O presidente da Salvador Destination, Roberto Duran, destaca que as expectativas do setor são relacionadas com 2021. “Esqueça a possibilidade de eventos corporativos presenciais ainda este ano. A insegurança que temos em relação ao futuro tem repercussão em seis, oito e até dez meses adiante”, explica. Segundo ele, a Salvador Destination segue trabalhando para a captação de eventos, “mantendo o destino vivo”, entretanto só conseguirá definir a atração de novos eventos com um protocolo de retomada. 

Ele explica que esses eventos são importantes economicamente porque movimentam grandes cadeias de serviços. “Quando você tem um evento presencial, o hoteleiro, o restaurante e o montador ganham. Agora até temos eventos virtuais, mas isso gera receitas apenas para os organizadores e mesmo assim num patamar muito mais baixo”, explica. 

O setor de eventos depende de três pontos para a sua retomada: previsibilidade, segurança e financiamento. “Precisamos de uma data para apresentar aos interessados em vir para cá, mas temos que mostrar a essas pessoas que elas estarão seguras aqui, e neste aspecto o poder público faz um grande trabalho. E para completar, precisamos de crédito, para manter as empresas vivas até a economia voltar a se movimentar”, diz. 


Os três pilares para a retomada dos eventos
Previsibilidade 

Feiras, exposições e convenções costumam ser marcadas com grande antecedência, por isso é importante para quem trabalha na área saber quando será permitido realizar encontros, explica o presidente da Salvador Destination, Roberto Duran. 

Segurança  
Atuar para garantir o controle da pandemia é fundamental para que os turistas se sintam seguros aqui, diz Duran

Crédito  
Após um longo período com o faturamento reduzido ou zerado, é necessário oferecer alternativas de crédito, afirma. 

Salvador opta por reabrir aos poucos
Salvador vai manter o processo de retomada das atividades econômicas de maneira contínua, mas sempre com o foco na segurança da população e dos visitantes, destaca o secretário Municipal de Cultura e Turismo, Pablo Barrozo. “Tivemos algumas medidas voltadas para o setor de eventos e o prefeito ACM Neto deverá anunciar novas assim que as condições permitirem. A perspectiva é esta, vamos continuar fazendo tudo responsavelmente”, avisa. 

Ele lembra que o estágio atual já permite a utilização de espaços como teatros, cinemas e centros de convenções com até 100 pessoas. 

O  presidente da Empresa Salvador de Turismo (Saltur), Isaac Edington, destaca que as medidas de segurança adotadas na capital serão um trunfo mais adiante. “As pessoas de fora estão vendo como nós estamos sendo cuidadosos neste processo e isso vai mostrar que aqui é um lugar seguro para elas visitarem”, diz. 

Ele destaca a sensibilidade da Prefeitura em relação às dificuldades enfrentadas pelo segmento de eventos. “A cidade vive da economia criativa, nós sabemos disso”, ressalta. 

Edington conta que já existe um protocolo para a retomada de eventos maiores sendo desenhado, mas não quis adiantar detalhes ainda. “Infelizmente não podemos dizer quando isso vai acontecer. Quero lembrar apenas que temos avançado gradualmente, porém sempre com firmeza”, diz. 


Agenda Bahia
O segundo encontro da Agenda Bahia Ao Vivo será transmitido no canal do Youtube do jornal CORREIO e terá mediação do jornalista Fernando Sodake. Acompanhe todas as atualizações sobre o evento no site oficial. Confira mais sobre o perfil dos palestrantes:

RICARDO FREIRE
É editor do Viaje na Viagem e suas dicas ajudam mais de 1 milhão de visitantes únicos por mês (pré-pandemia) a embarcar pelo mundo. Nesse Agenda Bahia ao Vivo, Freire vai falar sobre a pesquisa recente que fez sobre intenção de viagens nesses novos tempos e do perfil dos turistas que classificou como abstinentes, ressabiados, despachados e... “tô-nem-aíners”. No bate-papo, tem também tecnologia e por que ele escolheu a Bahia para ser seu primeiro destino de viagem, assim que possível.

FERNANDO BOTELHO
A Expedia, como qualquer empresa de turismo do planeta, viu de uma hora para outra contratos serem cancelados. Fernando Botelho, diretor de marketing para América Latina da empresa, vai contar neste Agenda Bahia Ao Vivo como a Expedia aproveitou a crise para se aproximar dos clientes e parceiros, investir em novos projetos e transformar seu negócio para 2021. Algoritmos, Inteligência Artificial, Machine Learning, Privacidade e muito capital Humano são alguns dos temas dessa conversa com Fernando, que vai adiantar tendências dos viajantes nesse pré e pós-vacina contra a covid.

CHIEKO AOKI
Fundadora e presidente da Blue Tree Hotels, a empresária Chieko Aoki é conhecida como "a dama da hotelaria brasileira" e já recebeu prêmios como uma das mulheres de negócios mais influentes do Brasil. Trabalhou em diversos lugares do mundo, como Estados Unidos, Ásia e Europa, e buscou se reinventar, depois de uma história familiar, para criar uma das principais redes de hotéis do País. Chieko irá falar sobre o valor do humano na tecnologia e o aprendizado que vem dos baianos nesta pandemia.

DAMIEN TIMPERIO 
CEO da GL Events (um dos principais players do mercado de eventos no mundo, com a concessão da gestão do Centro de Convenções de Salvador). Damien mostrará quais são os planos da GL para a capital baiana e sua visão para o turismo de negócios e a retomada de eventos e festas no Brasil, no pós-pandemia.

O Fórum Agenda Bahia 2020 é uma realização do CORREIO, com patrocínio do Hapvida, parceria do Sebrae, apoio da Claro, Sistema FIEB e apoio institucional da Rede Bahia e GFM 90,1.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas