Seis pessoas são presas em operação que desarticula milícia no sertão baiano

bahia
29.10.2020, 16:52:24
Atualizado: 29.10.2020, 17:13:41
(Divulgação/PRF)

Seis pessoas são presas em operação que desarticula milícia no sertão baiano

A Operação Alcateia também apreendeu veículos, armas, dinheiro e munições

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Seis pessoas foram presas na Operação Alcateia, deflagrada na manhã desta quinta-feira (29), pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA). Dos mandados de prisão, cinco foram cumpridos em Paulo Afonso e um no pedágio da BR324, em Simões Filho. Um sétimo investigado deverá se apresentar à Justiça ainda nesta quinta. Foram cumpridos mandados de prisões temporárias e de busca e apreensão nos municípios de Paulo Afonso, Feira de Santana, Salvador e Petrolina, em Pernambuco. Além disso, a polícia apreendeu R$850 em dinheiro, 11 celulares, seis pistolas, um revólver, uma carabina, 245 munições, além de cinco automóveis. 

A operação investiga graves delitos praticados por uma organização criminosa composta, principalmente, por policiais militares lotados no 20º Batalhão de Polícia Militar, sob o comando de um oficial de alta patente da corporação.

A investigação encontrou indícios da prática de diversos crimes de homicídio, tráfico de drogas, organização criminosa, além de outros delitos típicos de atividade de milícia como tortura e extorsão. Com base nesses indícios, foram deferidos pela 1ª Vara Crime, Júri, e Execuções Penais da Comarca de Paulo Afonso os pedidos do MP de prisões temporárias de seis policiais militares, buscas e apreensões em endereços residenciais dos investigados e batalhões da Polícia Militar, além de afastamento cautelar das funções públicas de um tenente-coronel pelo período de 180 dias. O tenente-coronel também está proibido de ter acesso às dependências de todas as unidades da Polícia Militar, de se comunicar com outros membros da Corporação e de utilizar os serviços da Instituição Militar.  

A ação contou com participação do Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Grupo Especial para o Controle Externo da Atividade Policial (Gacep), além de promotores criminais de Paulo Afonso e da Auditoria Militar, em conjunto com a Força-Tarefa da Secretaria de Segurança Pública (SSP) de Combate a Grupos de Extermínio e Extorsões. Além disso, no apoio operacional, participaram o Gaeco do Ministério Público do Estado de Pernambuco, a Corregedoria da SSP, a Corregedoria da Polícia Militar, a Polícia Civil (COE), o Batalhão de Choque da Polícia Militar, do DPT, e a Polícia Rodoviária Federal (PRF), por meio da Superintendência Regional na Bahia. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas