Si plus minusve secuerant, ne fraude esto!

paulo leandro
23.11.2019, 05:00:00

Si plus minusve secuerant, ne fraude esto!

Uma coisa é a origem e outra diferente, a finalidade. Os detratores do Vitória misturam vingança com objetivo, aplicado à causa: por isso, até agora não entenderam por que o Vitória não caiu.

A finalidade vem por último, pela ordem. Se o clube pioneiro fundou o desporto, em 1899, e por isso mantém esta data em seu distintivo, esta seria sua razão de existir. O rebaixamento não é a sua essência.

Esquecem os desleais combatentes de lembrar algo, além da origem e da finalidade: a vontade do ser-superior, energia chamando energia, ocupando espaço, tornando força a potência imanente, inspirando interpretações e novas possibilidades de rugir e lutar.

A força do ser-Vitória está neste subjugar dos reativos, enfiando as garras a dilacerar a carne de quem o combate, pois o que não nos rebaixa, nos fortalece: Já houve quem festejasse vencer o Fast em casa, esqueceram?

A gigante superação amplia a força. O Vitória sai desta luta com a recuperação de sua índole de maior vencedor do século, teu nome é tua sorte e dela não escapará: voltar para a Série A destinado ao primeiro título!

O Vitória, em permanente atividade, torna-se agora mais temido, pois sua condição de predador sai intacta, ou melhor, mais furiosa: é a vocação para vencer, em dietética farta.

Sem chance de adaptar-se a uma savana avessa a seu desígnio, eis o Vitória essencial em reconstrução, como um país arrasado após uma guerra onde muitos de seus antigos falsos heróis saíram de fininho ao levar o cofre e nem se ouve falar onde esconderam-se.

Um clube capaz de constituir um mundo onde havia o nada e doar sentido a este ‘real’ para fazê-lo ‘realidade’; este clube segue continuamente nutrido por forças espontâneas, violentas, vencedoras, criadoras, reinventando significações de ser-Vitória.

Aquela mais alta e robusta liderança já o tirou da condição de ‘Sarajevo devastada’: seu papel dominante e ativo será reconfigurado para 2020, daí o temor dos famintos por churras de Leão – castigo, culpa, remorso, má consciência de devedores.

É o Pensador do Martelo quem exclama: Vae victis – ai dos vencidos! Os fracos lamentam pois não há ‘perpetuum vestigium’ de um Vitória sofredor. Nada fizeram além de arreganhar-se às claras: ‘monstrum in fronte, monstrum in animo!’

O esquartejamento, a fervura em óleo e vinho, o empalhamento, o festivo corte de tiras, cobrir de mel o grande felino e enterrá-lo na praia, pichada em óleo cuja origem não se confessa, assim como a trama da facada, estava previsto lembrar, na dor, o castigo!

Um rebaixamento para a Série C faria o alívio dos fracos. Poderia ser sentido como efeito de um apedrejamento, tal execução marcaria para sempre a memória dos súditos do Rei Leão!

A repugnante mutilação do presidente gigante, o sacrifício dos torcedores e dos fieis associados, em todo e qualquer ritual cruel proposto por produtores de conteúdo, nada disso realizou-se: permanece a lacuna nos vermes.

O Leão mais forte e ressuscitado constitui-se no ‘ad venture’ – está por vir! Não tardará a aurora do novo ano no qual a lei de rasgar um pouco mais ou um pouco menos a fina pele do inimigo não importará tanto: ‘Si plus minusve secuerant, ne fraude esto!’.

Paulo Leandro é jornalista e professor Doutor em Cultura e Sociedade.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas