Sobrevivente de chacina em Marechal Rondon morre em hospital

salvador
15.05.2014, 13:03:00
Atualizado: 15.05.2014, 15:38:58

Sobrevivente de chacina em Marechal Rondon morre em hospital

O crime ocorreu por volta de 20h30 de ontem, em um terreiro de candomblé

Antônio Claudio dos Santos Reis, 39 anos, único sobrevivente da chacina que deixou quatro mortos no bairro de Marechal Rondon, na noite de quarta-feira (15), morreu no Hospital Geral do Estado (HGE), na manhã desta quinta-feira (15). Ele estava em estado grave após ter 80% do corpo queimado e ter sido baleado. 

O crime ocorreu por volta de 20h30 de ontem, em um terreiro de candomblé que foi atacado a mando de um traficante da região após dois homens serem presos pela Polícia Militar. 

O pai de santo Jackson Pereira dos Santos, 26 anos, a mãe dele, Maria da Paixão Pereira, 65 anos, e a irmã Jandaíra Pereira dos Santos, 28 anos, morreram na hora. Além deles, Antônio Claudio dos Santos Reis havia acabado de chegar ao local acompanhado de uma mulher, ainda não identificada, para fazer uma consulta. A mulher também morreu.

Plano de vingança
Segundo a polícia, horas antes do crime, policiais da 9ª Companhia Independente da Polícia (CIPM/Pirajá) perseguiram traficantes que se esconderam nos fundos do terreiro onde as vítimas moravam, na rua Lígia Maria, na localidade conhecida como Baixa do Dique. Um dos assaltantes chegou a ser esfaqueado por um morador. Com a ajuda dos moradores, policiais conseguiram localizar a casa e capturar os dois suspeitos, que não tiveram os nomes divulgados. 

Em represália à prisão, quatro criminosos executaram a vingança do traficante conhecido como Índio, que teria ordenado a morte de todos os moradores da casa usada pelos suspeitos como esconderijo. Comparsas de Índio foram ao local em uma moto e entraram na casa atirando nas pessoas. Em seguida, atearam fogo na casa e fugiram. A moto foi abandonada no local.

No momento do tiroteio, Antônio Claudio conseguiu se esconder em um dos cômodos da casa. Ao perceber que os assaltantes atearam fogo à casa, ele tentou fugir, mas sofreu queimaduras por todo o corpo. Ele foi socorrido por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e encaminhado para o HGE. Maria da Paixão, Jandaíra, o pai de santo Jackson e uma mulher não identificada morreram dentro da casa.

Sem ligação com tráfico
Vizinhos disseram à polícia que as vítimas não tinham ligação com crime. A 4ª Delegacia Territorial (DT/São Caetano), que atende à região, informou que recebeu denúncias de que traficantes estariam queimando casas como represália a uma ação policial. 

O caso está sendo investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que informou que a investigação ainda está em seu estágio inicial e não há muitos detalhes. Sabe-se que as vítimas apresentavam ferimentos de tiros e queimaduras, mas a perícia irá determinar o que causou as mortes.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas